Vettel vê 'milagre' em temporada da Ferrari e está otimista para 2016

Vettel vê 'milagre' em temporada da Ferrari e está otimista para 2016

Piloto alemão gostou das últimas corridas da escuderia italiana

Estadão Conteúdo

29 Novembro 2015 | 17h41

Embora tenha terminado o ano no segundo lugar do Mundial de Construtores da Fórmula 1, a Ferrari ainda tem muito a melhorar, pois a diferença para a campeã Mercedes foi significativa (703 a 428 pontos). No entanto, o desempenho ao final de 2015 agradou ao alemão Sebastian Vettel, que mostra otimismo para a próxima temporada.

"Acredito que podemos ficar muito felizes por essa temporada. É claro que o último passo para alcançar a Mercedes será também o mais difícil, mas, se você pensar em como estávamos há um ano, essa temporada foi um milagre", comentou Vettel, após terminar o GP de Abu Dabi, neste domingo, na quarta colocação.

"Não vejo outra equipe que tenha melhorado tanto (quanto a Ferrari) em um ano. Grandes sorrisos são vistos na nossa garagem e, para o próximo ano, esperamos aumentar o número deles", disse o tetracampeão mundial, que levou campeonatos consecutivos entre 2010 e 2013, ainda pela Red Bull, e que fez em 2015 sua temporada de estreia na Ferrari.

"Estou muito feliz por ter entrado na escuderia nesse momento e pelo ano de entrada que tive na Ferrari. Com certeza teremos muitos anos melhores pela frente", acrescentou o alemão, terceiro colocado no Mundial de Pilotos.

RAIKKONEN ENDOSSA DISCURSO

Assim como seu companheiro de Ferrari, Kimi Raikkonen acredita que a equipe melhorou bastante ao longo do ano. Para ele, é necessário manter o ritmo de trabalho para que 2016 seja ainda melhor.

"Em comparação com o ano passado, não medimos esforços em toda a equipe. Estamos bastante satisfeitos com o carro em todo o ano e os resultados melhoraram bastante", analisou o finlandês.

"O ano que vem é um novo desafio e um novo carro. Nós temos de continuar o que fizemos este ano, melhorando constantemente e trabalhando como um time, para seguir o progresso que fizemos em 2015", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.