Villeneuve tentou agredir Montoya

Se o o objetivo do colombiano Montoya na F-1 1 era tornar-se um personagem famoso, ele já conseguiu, apesar de estar a menos de meia temporada no Mundial: seus inimigos confessos são muitos. O mais novo é Jacques Villeneuve, que se não fosse a turma do "deixa disso" teria partido para a briga com o piloto da Williams, sexta-feira à noite. O diálogo dos dois, na reunião dos pilotos, acabou vazando hoje no paddock do circuito Gilles Villeneuve: "Você está louco", disse-lhe o canadense referindo-se a um toque do colombiano na traseira da sua BAR. Montoya respondeu: "Quem é você para exigir segurança, você já matou uma pessoa este ano." Villeneuve não se conteve e agarrou Montoya pelo pescoço. Se os outros pilotos não apartassem a discussão, viraria briga entre os dois baixinhos. Na etapa de abertura do Mundial, na Austrália, um acidente entre Villeneuve e Ralf Schumacher provocou a morte de um comissário, atingido por uma roda da BAR do canadense. Montoya já tem uma relação desgastada com Michael Schumacher, pelo que ocorreu na Áustria, e com seu irmão Ralf, com quem trabalha na Williams. "Fiquei com a sensação de que sua única preocupação era impedir que eu o ultrapassasse e não com sua própria corrida", falou Schumacher na Áustria, depois de os dois saírem da pista. Hoje o alemão também foi cobrar Montoya. "Disse que da próxima vez em que houver um vazamento de óleo no seu carro, para estacioná-lo fora do asfalto", explicou Schumacher. Na sessão da manhã, o colombiano teve perda de óleo do câmbio da Williams logo depois de deixar os boxes. Sua opção foi percorrer o traçado todo até retornar aos boxes. Já a questão com Ralf Schumacher é bem mais antiga. Os dois trocaram acusações antes mesmo de Montoya chegar para competir na F-1. Os dois não de falam. "Não estou aqui para estender um tapete vermelho para ninguém. Vim fazer o meu trabalho", costuma falar Montoya. "Quando estou disputando uma posição com alguém não fico pensando quem está na minha frente ou atrás." Mas não escondeu, depois da manobra arrojada de Interlagos, em que tocou rodas e venceu o duelo com Michael Schumacher, que a ultrapassagem "teve um gosto especial." Eram fortes os rumores, hoje, de que os líderes da Associação dos Pilotos (GPDA), Michael Schumacher, David Coulthard e Jarno Trulli, poderiam requerer do diretor de corrida, Charlie Whitting, atenção maior sobre o comportamento de Montoya na pista. A F-1 estaria dando-lhe uma espécie de cartão amarelo por sua conduta. Montoya não faz parte da GPDA. Em sete corridas até agora, marcou pontos apenas uma vez quando classificou-se em segundo no GP da Espanha.

Agencia Estado,

09 de junho de 2001 | 17h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.