Paulo Liebert/AE
Paulo Liebert/AE

Vitor Meira diz que chegou ao pódio da Indy por sorte

'A gente pode até surpreender, mas a realidade é que precisamos melhorar', diz

Leandro Silveira, Agência Estado

14 de março de 2010 | 17h45

Terceiro colocado na etapa de São Paulo da Fórmula Indy, o piloto brasileiro Vitor Meira admitiu que só conseguiu chegar ao pódio da prova que abriu a temporada 2010 por sorte. Ele também ressaltou que soube superar as condições adversas da corrida deste domingo no circuito de rua do Anhembi, que foi iniciada com sol, teve chuva e chegou a ser paralisada.

Veja também:

linkCORRIDA - Leia como foi a vitória de Will Powe na etapa de São Paulo da F-Indy

lista F-INDY - Todas as notícias da categoria

blog BATE-PRONTO - Bastidores da prova

linkVitor Meira diz que temeu por volta ao automobilismo

"Até começar a chover, estávamos em modo de sobrevivência, sem forçar muito, sabendo que começo de campeonato tem muita batida. Em uma pista nova isso era inevitável, então me protegi. Em condições normais, não tinha carro para ser terceiro. Usei bem a cabeça, arrisquei, botamos os pneus slicks [lisos] muito cedo, já que dava pra ver que a pista ia secar rápido. Nesse período, a gente estava muito rápido e passei muita gente. As condições me aproximaram dos primeiros e deram muita chance pra gente", afirmou Meira.

Melhor brasileiro na etapa de São Paulo, que foi vencida pelo australiano Will Power, o brasileiro descartou a possibilidade de lutar pelo título da F-Indy nesta temporada. "Só se a gente levar um pouco de sorte. O objetivo era começar melhor do que no ano passado e isso está sendo feito. A gente pode até surpreender, mas a realidade é que precisamos melhorar. Hoje deu sorte por ter feito escolhas certas", comentou o piloto da equipe AJ Foyt.

Ainda sem vencer na categoria, onde corre desde 2002, Meira garante que o jejum não o incomoda. "Incomoda mais às outras pessoas do que eu. O que me incomoda é saber que não fiz o melhor. Eu sei que hoje não dava para fazer melhor. A vitória é consequência do trabalho. O meu trabalho é tirar 100% do equipamento. A vitória vai vir, comecei esse ano com sorte e quem sabe essa sorte não continua", afirmou.

Meira avaliou que a corrida deste domingo poderia não terminar se a reta do Sambódromo não tivesse sido reformada, como aconteceu na noite de sábado. "Era uma pista completamente diferente. Ainda bem que fizeram as mudanças, já que, com a chuva, iam parar a corrida por muito mais tempo, porque não ia ter condições de correr e teria muitas batidas", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.