Webber lamenta largar em último: 'Muito decepcionante'

Mark Webber só teve motivos para lamentar neste sábado. Um problema na bomba de combustível da sua Red Bull abreviou sua participação no treino classificatório e o levou para o último lugar do grid no GP da China, disputado em Xangai. "É muito decepcionante. Estava fora do meu alcance", afirmou.

AE, Agência Estado

13 de abril de 2013 | 08h53

O australiano perdeu muito combustível no início do treino e precisou parar nos boxes durante a segunda sessão, o Q2. Foi quando descobriu que o tanque estava sem combustível, o que contraria as regras do campeonato e gera grave punição ao piloto, derrubado para o fim do grid.

"O Q1 foi OK. Eu estava confortável com o carro e tinha um plano para o restante da sessão. Mas no Q2 perdi pressão no combustível, então tive que parar o carro e não consegui chegar aos fim dos boxes. Parei na entrada e aí o treino acabou para mim antes mesmo de começar", declarou o piloto, que registrou o 14º tempo no Q2.

Webber foi punido porque os carros precisam contar com pelo menos um litro de combustível ao fim do treino para posterior análise da F1. Por causa da falha no carro, a Red Bull do australiano contava apenas com 150 ml no tanque. "A bomba do combustível foi imediatamente removida para ser investigada", garantiu o chefe da equipe, Christian Horner.

O problema acontece justamente quando o australiano tentava romper o domínio do companheiro Sebastian Vettel na Red Bull. Os dois protagonizaram as atenções na corrida passada, na Malásia, e trocaram declarações polêmicas nesta semana. Tudo resultado da ultrapassagem de Vettel sobre Webber mesmo quando a Red Bull havia dado ordens para os pilotos manterem suas posições.

"Agora vou precisar de um pouquinho de sorte. Não será a largada ideal, mas ainda temos que tentar obter alguma coisa a partir do último lugar", disse Webber, que sofreu o mesmo problema enfrentado por Vettel na etapa de Abu Dabi em 2012.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1GP da ChinaWebber

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.