Webber surpreende na estréia na F1

Enquanto Williams, McLaren e Michelin procuravam ainda compreender ao certo o que teria causado o ?Furacão Ferrari? neste domingo, no GP da Austrália, o australiano Mark Webber pulava em cima do carro da Minardi, que a cada dia se parece menos com a Minardi que nunca conseguiu nada na F-1. Na sua estréia na categoria, Webber, de 25 anos, obteve uma excelente quinta colocação. A torcida fez uma festa de vencedor para ele, com todos os méritos. Os japoneses da Toyota também se emocionaram com o sexto lugar justamente na estréia da montadora na Fórmula 1.São raros os casos de pilotos que já na primeira corrida de F1 marcam pontos. Os últimos três, antes de Webber, o fizeram também em Melbourne: Jacques Villenueve (Williams), em 1996, Pedro de la Rosa (Arrows), em 1999, e Kimi Raikkonen (Sauber), no ano passado. "Eu estava tão emocionado que via as bandeiras da torcida nas arquibancadas e não sabia se a corrida havia terminado. A bandeira quadriculada não aparecia. Foi um alívio vê-la depois", disse Webber, em meio a abraços de dezenas de fãs que buscavam cumprimentá-lo.Webber conseguiu sair ileso do acidente da largada, o que o ajudou muito. "Mas quando perdi tanto tempo no pit stop, porque a tampa do bocal não se abria, fiquei desesperado", confessou o australiano. O sócio majoritário da Minardi também é australiano: Paul Stoddart. "Nem em sonho eu imaginei isso. Terminar a prova com os dois carros já seria motivo de festa para nós", admitiu ele. As duas últimas vezes que a Minardi classificou-se entre os seis primeiros colocados foi em 1999, quando conquistou um ponto, e em 1995, outro ponto obtido. Alguns dos profissionais da Minardi trabalhavam na Prost Grand Prix, que faliu. Um deles é John Walton, chefe da equipe. "Esse resultado é importante para o pessoal da Asiatech (fornecedor do motor da Minardi), na realidade o mesmo grupo que trabalhava no motor Peugeot, sempre muito desprezado por Alain Prost."Outra boa estréia - Gustav Brunner foi contratado pelos japoneses da Toyota, em março do ano passado, para dar novo rumo ao seu projeto de F1. O carro-laboratório, projetado por Andre de Cortanze, era mais lento que um da Fórmula 3000. Brunner obteve êxito: logo na primeira prova na categoria, neste domingo, em Melbourne, a Toyota marcou um ponto. "Eu fiquei emocionado ao ver os mais importantes homens da Toyota, hoje aqui, com o olhos marejados", disse Brunner. "As pessoas não têm idéia do desafio que representa construir uma fábrica, carro, motor, câmbio, tudo por nossa conta", afirmou. "Tudo isso e ver seu carro já na estréia não apresentar nenhum problema em nenhum dos três dias e ainda chegar em sexto. Hoje posso dizer que sou um homem feliz." O ponto veio com o experiente piloto finlandês Mika Salo, 93 GPs disputados (94 com o deste domingo), que confessou depois da prova: "Já quase venci uma corrida, na Alemanha em 1999, mas o ponto mais importante e gostoso da minha carreira foi este de hoje." Agora são 32 pontos na carreira. Tsutomu Tomita, da Toyota, elogiou o grupo de trabalho e disse que a equipe mostrou ter uma boa base para crescer na F-1.Apesar do quarto lugar, Eddie Irvine, da Jaguar, foi claro: "Tivemos sorte, mas ao menos terminamos a corrida. O importante é que temos consciência do enorme trabalho que nos aguarda". O modelo R3 do time da Ford tem problemas de toda natureza, mecânica e aerodinâmica. "Haja vista que Eddie Irvine largou na 19 colocação", lembrou Niki Lauda, diretor geral da Jaguar. "Estamos para inaugurar nosso novo túnel de vento, o que fai redimensionar nossos projetos". Mark Handford, o especialista em aerodinâmica da escuderia, utiliza-se em um túnel de vento na Califórnia, nos Estados Unidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.