Divulgação
Divulgação

Williams anuncia britânico para piloto de desenvolvimento

Alex Lynn, de 21 anos, disputará a temporada de GP2 em 2015 e terá como atribuição testar no simulador os novos acertos do carro

O Estado de S. Paulo

28 de janeiro de 2015 | 09h35

A Williams anunciou nesta quarta-feira o britânico Alex Lynn como novo piloto de desenvolvimento da equipe para a temporada 2015 da Fórmula 1. O garoto de 21 anos terá como papel usar o simulador da equipe para ajudar no desenvolvimento do carro e do trabalho dos engenheiros para cada uma das etapas do calendário, além de estrear na pista no volante da equipe inglesa na semana de testes em Barcelona, no mês de maio.

Lynn começou a carreira na Fórmula Renault Britânica, quando em 2011 bateu o recorde de 12 vitórias em 20 corridas. Depois disso, passou pela Fórmula 3 Britânica e Fórmula 3 Europeia, para em 2014 conquistar o título da GP3 com recorde de pontos para o vice-campeão. Em 2015, além do trabalho na Williams, o piloto vai competir na GP2 pela equipe DAMS.

"A Williams tem um histórico de trazer talentos jovens e o cargo de piloto de desenvolvimento é feito principalmente para recrutar quem pode ajudar a equipe em nossos trabalhos internos", disse a vice-presidente e diretora comercial da equipe, Claire Williams, em comunicado distribuído pela escuderia. "Como uma equipe britânica, estamos sempre à procura de talentos nascidos em casa e Alex atraiu nossa atenção pelas ótimas performances no GP3", acrescentou.


Dentro da escuderia, Lynn vai trabalhar com a piloto de testes Susie Wolff, o brasileiro Felipe Massa e também o finlandês Valtteri Bottas, a quem lhe serve de inspiração. "Posso seguir o caminho de Bottas, que entrou na Williams exatamente no papel de piloto de desenvolvimento e com muito trabalho e determinação, saiu para ganhar o título de GP3 e achar lugar na Fórmula 1", disse o britânico.

Tudo o que sabemos sobre:
velocidadeFórmula 1WilliamsAlex Lynn

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.