Williams faz dobradinha na França

Michael Schumacher aumentou neste domingo no GP da França, com a terceira colocação, um ponto a sua vantagem para o vice-líder do Mundial, Kimi Raikkonen, da McLaren, quarto, 64 a 56, mas admitiu pela primeira vez: "Estamos atrás da Williams." Ralf Schumacher, o vencedor, e Juan Pablo Montoya, segundo, estabeleceram a segunda dobradinha seguida do time inglês e ambos não só irão disputar o título com Schumacher e Raikkonen nas seis provas que restam como surgem até com certo favoritismo, diante do avanço arrasador de sua escuderia, que somou 65 pontos nos 72 possíveis nas últimas quatro etapas."Finalmente ganhei largando da pole position", disse neste domingo Ralf, feliz como poucas vezes. "Se alguém me dissesse no começo da temporada que nós faríamos duas dobradinhas seguidas eu o chamaria de maluco." Foi sua segunda vitória em sete dias, a sexta na carreira. Dia 29 ele já havia sido primeiro em Nurburgring, Alemanha, no GP da Europa.Resultado que coloca em xeque tudo o que se imaginava antes do Mundial começar: "Temos agora de trabalhar num ângulo de 360 graus", definiu a situação o diretor-técnico da Ferrari, Ross Brawn. "Desenvolver chassi, motor e pneus." É isso mesmo, o que parecia impossível tornou-se realidade, a Ferrari não é hoje o carro mais rápido da competição. "Não é desde Mônaco", lembra Rubens Barrichello, autor de outra performance apagada, em razão de ter rodado ao fim da primeira volta. Acabou em sétimo e Antonio Pizzonia, Jaguar, décimo, e Cristiano da Matta, Toyota, 11º."Estamos fazendo as coisas certas", comentou o diretor-técnico da Williams, Patrick Head. "Os maiores responsáveis pela virada são nosso novo pacote aerodinâmico e o avanço da Michelin", aposta o chefe dos engenheiros da Williams, Sam Michael."O gostoso da Fórmula 1 é isso, tudo pode mudar rapidamente." E é baseado nisso que Schumacher projetou o restante do campeonato. "Já passei por situação semelhante no passado, às vezes descobrimos um detalhe no carro e nos pneus e o desempenho dá um grande salto. Não estamos perdidos." Já a partir desta segunda-feira a Ferrari inicia uma série de cinco dias de treinos intensivos, em Barcelona, Mugello e Fiorano, com Schumacher, Rubinho e Felipe Massa. O grande problema da Ferrari e da Bridgestone, sua fornecedora de pneus, é que os ensaios desta semana são os últimos antes da proibição prevista no regulamento até 31 de agosto. A Bridgestone tem menos de uma semana para reverter a vantagem da Michelin.Com 53 pontos, terceiro na classificação, Ralf não quer nem falar em disputa do título. "Nosso pacote técnico cresceu muito, mas como vimos as coisas aqui se transformam rápido, é melhor esperar mais algumas corridas." Ano passado Montoya se impôs mais sobre o companheiro de Williams, ao estabelecer, por exemplo, sete pole positions. Ralf nenhuma. Neste Mundial ainda não largou em primeiro diante de três poles de Ralf, e não ganhou nenhuma prova também enquanto o irmão de Schumacher venceu as duas últimas. "Não está acontecendo nada. Hoje o carro não estava tão bom no início da competição, melhorou com o segundo jogo de pneus e depois tentei passar Ralf no terceiro pit stop (estratégia da maioria) mas não deu." O alemão saiu dos boxes exatamente na sua frente. Não havia ordens de equipe para os dois evitarem a disputa pela vitória. "No circuito de Magny-Cours é bem difícil ultrapassar." A Williams está agora a três pontos da Ferrari no campeonato dos construtores, 103 a 100. A McLaren vem a seguir, com 85, em terceiro, e a Renault, que ontem não marcou pontos pela primeira vez do ano, com 52. A partir desta terça-feira quase todas as equipes voltam ao trabalho no Circuito da Catalunha, em Barcelona, preparando-se não apenas para o GP da Grã-Bretanha, dia 20, como da Alemanha, dia 3 de agosto, e da Hungria, dia 24, já que não poderão treinar mais. Ron Dennis, diretor da McLaren, que desde 1980 é sócio da equipe, afirmou ontem: "Este é um dos campeonatos mais disputados que já participei." A próxima etapa será dia 20, em Silverstone, com o GP da Inglaterra.Classificação

Agencia Estado,

06 de julho de 2003 | 10h34

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.