Valérica Gonçalvez/ Estadão
Valérica Gonçalvez/ Estadão

Wilsinho Fittipaldi é submetido a cirurgia no cérebro, mas passa bem

Ex-piloto foi operado para conter uma hemorragia cerebral após acidente doméstico

Felipe Rosa Mendes, Estadao Conteudo

17 de março de 2020 | 18h51

Um dos pioneiros do Brasil na Fórmula 1, o ex-piloto Wilsinho Fittipaldi foi submetido a uma cirurgia no cérebro na madrugada de segunda-feira, mas passa bem, de acordo com familiares. O irmão mais velho de Emerson Fittipaldi foi operado para conter uma hemorragia cerebral.

O procedimento foi bem-sucedido. Wilsinho, de 76 anos, está na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Sancta Maggiore. Ele segue fazendo drenagem da hemorragia no cérebro. Segundo familiares, ele está bem e lúcido. A previsão é de que tenha alta até sexta-feira.

A cirurgia teve caráter de emergência para conter hemorragia que pode ter sido causada por um aparelho instalado no cérebro do ex-piloto, no começo de novembro. O aparelho tem como objetivo reduzir os sintomas do Mal de Parkinson, doença com a qual Wilsinho convive nos últimos anos.

A hemorragia foi agravada por uma queda que Wilsinho sofreu em sua casa, na cidade de Santana do Parnaíba, no interior de São Paulo, na semana passada. Ele passou a sofrer mal-estar depois do acidente doméstico e realizou exames, que acabaram constatando a hemorragia. O problema exigiu a realização da operação, na madrugada de segunda.

Antes disso, em novembro, ele foi submetido a um procedimento cirúrgico para instalar um dispositivo em seu cérebro com o objetivo de reduzir os tremores nos braços e nas pernas. Ele vinha tendo dificuldades para andar. Mas, de acordo com familiares, os sintomas estavam diminuindo nos últimos meses, possivelmente em razão do aparelho.

Depois da operação para instalar o dispositivo, Wilsinho chegou a acompanhar corridas de automobilismo em São Paulo, como etapas da Fórmula Vee no Autódromo de Interlagos, em dezembro e em fevereiro deste ano.

Irmão do bicampeão mundial Emerson Fittipaldi, Wilsinho também é pai de Christian Fittipaldi, outro piloto com passagem pela F-1. Na categoria, Wilsinho disputou 38 corridas, entre 1972 e 1975. Seu melhor resultado foi uma quinta colocação no GP da Alemanha de 1973.

Mas ele ficou mais marcado na categoria por ter ajudado a criar a Copersucar-Fittipaldi, única equipe brasileira que já competiu na F-1. Wilsinho foi piloto e chefe do time até 1982, quando a equipe deixou o campeonato.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.