Alemanha bate o Brasil no GP de Vôlei

A seleção feminina de vôlei está na fase final do Grand Prix, que começa quinta-feira, em Hong Kong, mesmo perdendo, nesta madrugada de sábado, em Macau, para a Alemanha, por 3 sets a 2 (23/25, 25/23, 25/20, 12/25 e 15/13), num jogo bastante equilibrado, com duração de 1h50. A equipe do técnico Marco Aurélio classificou-se entre as quatro melhores seleções do torneio, graças à vitória das japonesas sobre os Estados Unidos, por 3 sets a 1, parciais de 25/22, 25/18, 22/25 e 25/23. O duelo contra as alemãs, o terceiro neste Grand Prix, foi recheado de emoções e provocações. As européias usaram dos gritos na rede, uma forma de intimidação para as meninas de Marco Aurélio. ?Essa foi a segunda vez que jogamos contra as alemãs neste clima de intimidação. Achei as provocações uma atitude antidesportiva?, contestou o técnico. ?Lamento que a arbitragem tenha aceitado isso em um jogo de nível internacional. Nosso time não se abalou, mas em alguns momentos as adversárias conseguiram nos desconcentrar.? A levantadora alemã Doemeland foi quem mais provocou, com gritos a cada ponto de sua equipe. O técnico Hee Wan Lee preferiu não polemizar e defendeu suas atletas. ?Não provocamos nem faltamos com o respeito ao Brasil. As jogadoras só estavam felizes e comemorando a boa atuação dentro da quadra.? Provocações à parte, o que se viu em quadra foi um grande jogo. As brasileiras davam show com seus fortes ataques, principalmente com Sassá, maior pontuadora da partida, com 26 pontos. Já as rivais, respondiam com o forte bloqueio, responsável por 16 pontos. O equilíbrio ficou evidente nos dois primeiros sets, terminados por 25/23, um para cada equipe. As brasileiras iniciaram mal o terceiro set, ficando em desvantagem de 11 a 3. As alemãs administraram a vantagem e fecharam em 25/20. No quarto, a história foi diferente. Com o saque fazendo a diferença e o bloqueio eficaz, um show: 25 a 12. Eis que entra em ação o alto bloqueio alemão, no tie break. E as européias chegam à vitória por 15/13, com Thumm parando o ataque de Sassá.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.