Alemanha vence e adia classificação do Brasil no campeonato de vôlei

Seleção europeia derrota Bulgária com 3 sets a 0 e atrapalha a a equipe do técnico Bernardinho na luta pelo Mundial

Estadão Conteúdo

11 Setembro 2014 | 18h17

O Brasil ainda não está matematicamente classificado para a terceira fase do Mundial Masculino de Vôlei, que está acontecendo na Polônia. Nesta quinta-feira, após conquistar a sétima vitória em sete jogos, o time comandado por Bernardinho precisava de uma combinação de resultados, que não veio. Assim, ainda precisa de mais uma rodada para se assegurar na terceira e antepenúltima fase da competição.

Nesta quinta, horas depois de o Brasil vencer a China por 3 sets a 0, a Alemanha entrou em quadra, também em Katowice, e venceu a Bulgária por 3 a 0. Com o resultado, chegou a 12 pontos no Grupo F, podendo ainda ultrapassar a seleção brasileira, que tem 15, a pontuação máxima.

No sábado, o Brasil pode até perder por 3 sets a 2 para o Canadá, que mesmo assim avança para a próxima fase do Mundial. Afinal, os canadenses, que também brigam por uma vaga, estão com 10 pontos. Se vencerem no tie-break, ficarão a quatro pontos da seleção brasileira a uma rodada do fim da fase.

Nesta segunda etapa do Mundial, os classificados dos Grupo B e C formam o Grupo F e levam os resultados da primeira fase contra os demais rivais que avançaram. Assim, o Brasil já chegou à segunda fase com nove pontos, favorito à classificação.

Pelo Grupo F, além de Brasil, Alemanha e Canadá, também a Rússia disputa uma das três vagas, com 14 pontos. No sábado, os russos encaram os alemães. Depois, domingo, o clássico entre Brasil e Rússia pode valer apenas para cumprir tabela. Afinal, na terceira fase (dois triangulares), os grupos serão montados por sorteio - cada chave terá um primeiro, um segundo e um terceiro colocado da segunda fase.

No Grupo E a disputa é mais acirrada. A França lidera com 13 pontos, seguida de Polônia (12), Irã (11), EUA (10) e Sérvia (nove). Argentina, Itália e Austrália já estão eliminadas, mesmo caso de Bulgária, Finlândia, Cuba e China, todas do Grupo F.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.