Reprodução / Twitter
Reprodução / Twitter

Alison e Álvaro Filho perdem para noruegueses e ficam com vice na etapa de Viena

Alisson espera que dupla passe por processo de amadurecimento para crescer no esporte

Redação, Estadao Conteudo

04 de agosto de 2019 | 17h16

Assim como aconteceu na chave feminina, o vôlei de praia do Brasil foi derrotado neste domingo na final da etapa de Viena, que é de nível cinco estrelas do Circuito Mundial e que distribui pontos para a corrida olímpica brasileira. Na decisão, o capixaba Alison e o paraibano Álvaro Filho acabaram superados pelos noruegueses Mol/Sorum por 2 sets a 0, com parciais de 21/11 e 21/17. Esta foi a terceira vez seguidas que a dupla chega entre os quatro primeiros de uma etapa.

"Uma final sempre tem um peso maior psicologicamente e os noruegueses formam o melhor time do mundo atualmente, são bons, são frios. O nosso time não jogou muito bem essa final, mas é parte do processo. É a primeira final de um torneio cinco estrelas para a gente. Temos que crescer com cada dia, evoluir jogo a jogo", disse Alison.

O discurso do campeão olímpico nos Jogos do Rio-2016 vai ao encontro do que disse o parceiro após a decisão contra o time norueguês. "Fico feliz com essa medalha de prata e não tem como ser diferente depois de cinco semanas fora de casa. A Noruega foi melhor hoje (domingo), mas estamos evoluindo. Essa foi a terceira competição seguida que conseguimos ficar entre os quatro melhores. Estamos progredindo e isso é motivo de muita alegria para nosso time", contou Álvaro Filho.

Para chegarem à grande final, Alison e Álvaro Filho passaram também neste domingo pelos norte-americanos Dalhausser/Lucena por 2 sets a 0, com parciais de 21/18 e 21/16. Assim, os brasileiros encerram a participação na etapa austríaca com cinco vitórias em seis partidas.

Com os resultados de Viena, Evandro/Bruno Schmidt segue na liderança da corrida olímpica brasileira com 5.570 pontos. A prata manteve Alison e Álvaro Filho em segundo lugar, agora com 5.200 pontos. André/George, com 4.450, está em terceiro. Pedro Solberg/Vitor Felipe soma 2.800 em quarto. E Guto/Saymon fecha a lista em quinto com 2.570.

"Esse momento de finais em grandes torneios é novo para o nosso time. E precisamos passar por isso. É um amadurecimento, precisamos passar por finais, por pódios para crescer. Estamos no caminho certo. Falta muito tempo para os Jogos Olímpicos, apenas um ano, mas com muita coisa ainda por acontecer e estamos indo bem", analisou Alison.

Tudo o que sabemos sobre:
vôlei de praiavôlei

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.