Divulgação / Sesi
Divulgação / Sesi

Após oito meses suspenso, Murilo retorna ao vôlei em nova posição

Antes ponteiro, campeão olímpico foi flagrado no antidoping em abril de 2017 e volta da punição como líbero

Estadão Conteúdo

15 de dezembro de 2017 | 12h07

Murilo está de volta às quadras. O atleta de 36 anos retorna como líbero depois de cumprir suspensão de oito meses por ter sido flagrado no doping pela substância furosemida. O Sesi-SP, time do jogador, enfrenta o Sesc-RJ nesta sexta, a partir das 20h da noite e atuará como líbero.

+ Cruzeiro bate donos da casa e avança às semifinais do Mundial de Vôlei

+ 'O que me estimula é continuar a inspirar pessoas', diz Bernardinho

"Não preciso nem dizer que ficar de fora foi muito difícil, foram oito meses bem complicados, mas que graças a Deus ficaram para trás. Ter voltado aos treinos me ajudou bastante, ocupou minha cabeça e me deu o objetivo de voltar a jogar. Estou bastante ansioso. Essa semana está sendo diferente, o jogo está cada dia mais próximo. É uma estreia para mim, que tem uma mudança de posição e um confronto contra uma equipe forte, que está brigando pela liderança", comentou o camisa 8, que estava suspenso desde 10 de abril.

O Sesc está em segundo na classificação da Superliga masculina, com 28 pontos. Já o Sesi está em quarto, com 21 pontos. O time paulista terá a equipe completa pela primeira vez na temporada.

Murilo atuava anteriormente como ponteiro, mas agora passará a ser líbero. "A mudança de posição não está sendo fácil. Antigamente muitos ponteiros foram improvisados de líbero assim que a função foi criada, mas hoje isso não é mais normal, os líberos já vêm formados da base nessa posição. Estou tendo um pouco de dificuldade é claro, isso requer bastante treinamento, bastante dedicação. Eu ainda não tive o tempo necessário para estar 100% na função, mas o que vale é a vontade de provar, retribuir e ajudar o time", afirmou o veterano sobre a nova função em quadra.

Murilo tem 36 anos e está no Sesi-SP desde 2011 e já foi campeão nacional pela equipe, em 2010-11. Além disso, participou da conquista de três medalhas olímpicas pelo Brasil: prata em Pequim-2008 e Londres-2012 e o ouro em Atenas-2004, entre outros títulos pela seleção.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.