Após perder invencibilidade, Unilever volta a vencer na Superliga

Equipe do Rio de Janeiro bate o São Caetano (SP) por 3 sets a 0 (25/17, 25/19 e 25/22)

estadão.com.br

11 de fevereiro de 2011 | 17h43

SÃO PAULO - Depois de ter a invencibilidade quebrada pelo Macaé Sports (RJ) na última rodada, a Unilever (RJ) voltou a vencer na Superliga feminina de vôlei e manteve a liderança. Nesta quinta-feira, o time carioca enfrentou o São Caetano (SP) e ganhou por 3 sets a 0 (25/17, 25/19 e 25/22), em 1h16 de jogo, no ginásio do Tijuca Tênis Clube, no Rio.

Os destaques da equipe comandada por Bernardinho foram as campeãs olímpicas Fabi e Sheilla. A líbero foi eleita a melhor jogadora da partida, enquanto a oposta marcou 12 pontos e, ao lado da ponteira Dayse, do São Caetano, foi a maior pontuadora do confronto.

Após a partida, a líbero Fabi festejou o resultado e desabafou. "Estávamos devendo esta vitória para nós mesmos, pois o time ficou muito chateado com a última atuação. Entramos determinadas a jogar melhor."

Osasco. Desfalcado da ponteira Jaqueline, o Sollys/Osasco (SP) mediu forças com o Brusque (SC), nesta quinta-feira, e saiu de quadra com a vitória. As atuais campeãs da Superliga ganharam por 3 sets a 0 (25/22, 25/16 e 25/17), em 1h32 de jogo, fora de casa. Com o resultado, o time de Osasco retomou a segunda colocação do torneio.

A campeã olímpica Jaqueline sofreu uma subluxação patelar no joelho esquerdo e deverá retornar às quadras entre seis e oito semanas. A ponteira Thaís foi a substituta e marcou oito pontos na partida.

Com 15 pontos, a oposta Natália, do Osasco, foi quem mais marcou na partida. Com um acerto a menos, a ponteira Sassá foi eleita a melhor da partida.

Pinheiros. Depois de quatro derrotas consecutivas, duas delas para o Osasco, o Pinheiros/Mackenzie (SP) fez as pazes com a vitória. Nesta quinta-feira, a equipe campeã paulista derrotou o Pauta/São José (SC) por 3 sets a 0 (25/16, 25/20 e 25/13), em 1h16 de jogo, no ginásio São José.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.