Após perder Wallace, Cruzeiro renova com técnico e contrata central cubano

Depois de perder o oposto Wallace, destaque da seleção brasileira de vôlei que foi para o Funvic/Taubaté, o Sada/Cruzeiro anunciou oficialmente duas boas notícias para o seu torcedor. O clube confirmou a renovação do contrato do técnico argentino Marcelo Mendez, que está no comando da equipe desde 2009 e irá liderar a equipe pela oitava temporada consecutiva. Para completar, o time confirmou a contratação do central cubano Simon.

Estadão Conteúdo

19 de abril de 2016 | 12h25

Duas vezes campeão mundial de clubes no comando da equipe, com os títulos de 2015 e 2013, Mendez também acaba de conduzir o time ao seu quarto título da Superliga, conquistada no último dia 10, com vitória na final sobre o Brasil Kirin/Campinas, em Brasília.

E agora o treinador comemora a chance de poder seguir à frente da principal equipe de vôlei do Brasil na atualidade. "Estou muito feliz com a continuidade desse trabalho que já dura tantos anos, com tantas grandes conquistas para o nosso time e onde construí uma carreira vencedora no vôlei brasileiro. É uma satisfação enorme para mim. Com certeza seguirei com o mesmo entusiasmo, com a mesma vontade de sempre e com os mesmos objetivos, de sermos campeões de tudo. Um time como o Sada/Cruzeiro sempre vai entrar com essa meta, de ganhar todos os campeonatos que disputar", afirmou o comandante, por meio do site oficial do clube.

REFORÇO - Já Simon chega ao Cruzeiro com status de ser um dos principais jogadores de sua posição no mundo. O atleta de 2,06m e 112kg estava há dois anos defendendo o Ansan OK Savings Bank, da Coreia do Sul, e agora assinou acordo para vestir a camisa da equipe mineira pelas próximas três temporadas.

No Cruzeiro, Simon, de 28 anos, jogará ao lado do seu ex-companheiro de seleção cubana Leal, que também renovou acordo para seguir defendendo a equipe cruzeirense até 2018. Ao lado de Leal, ele foi vice-campeão mundial em 2010, quando Cuba caiu na decisão diante do Brasil.

"Para mim vai ser um grande prazer. Pela primeira vez vou jogar em um clube ao lado de um grande amigo jogador, como o Yoandy Leal, que já demonstrou sua qualidade em dois Mundiais e várias outras competições, e penso que será uma rara oportunidade para nós dois, juntos em um clube, mostrarmos que somos capazes de jogar o alto nível do voleibol. Teremos que manter nossa amizade e jogar como amigos irmãos que somos", ressaltou o atleta, que jogou por duas temporadas no Piacenza, da Itália, e foi apelidado de "Simonster" pelo seu poderio como central no vôlei.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.