Após Superliga, Zé Roberto volta a pensar nas mulheres

Com a temporada da Superliga encerrada para a Unisul, que foi eliminada na semifinal, José Roberto Guimarães começa a planejar o ano da Seleção Feminina de Vôlei. O técnico, que voltou ao comando de uma equipe masculina após nove anos, já está com saudade das meninas. Antes da convocação, Zé Roberto vai acompanhar as finais da Superliga, entre Rexona/Ades e Finasa/Osasco, que juntas contam com nove jogadoras da Seleção.O primeiro torneio do ano para a equipe brasileira será o Torneio de Montreux, na Suíça, em junho. A convocação deve sair até o final do mês, já que a idéia de Zé Roberto é começar os treinamentos em maio. Mas antes deve voltar a Florianópolis para fechar o ano com a Unisul.?Tenho uma reunião com o Giovane (gerente de esportes da Unisul) na segunda-feira. Me apaixonei por Florianópolis e tenho vontade de ficar. Foi um ano de aprendizado porque voltei ao vôlei masculino após nove anos. Vou levar muita coisa do que aprendi aqui para a Seleção Feminina - por exemplo o trabalho de bloqueio e defesa?, diz.Zé Roberto admite que sentiu falta das jogadoras da Seleção: ?Saudade sempre dá. Me afeiçoei ao grupo, tenho muito carinho por elas. No começo, quando voltei para um time masculino, foi difícil nos treinos - é tudo diferente: a movimentação, a potência do ataque, a altura da rede...?Para o técnico, o ano foi de aprendizado. ?Vi o que está acontecendo no vôlei masculino e conheci muita gente. Tem muito garoto bom que está chegando. Tive uma estrutura muito boa para trabalhar?, assinalou.DivisãoSobre a discussão que teve com o líbero Alan no terceiro jogo da semifinal - que resultou no ?gancho? do jogador na quarta partida -, Zé Roberto resumiu: ?Foi uma discussão normal de jogo. Resolvi tirá-lo e colocar o Ezinho no lugar dele no quarto jogo. Tanto que no quinto o Alan voltou ao time. Está tudo certo na equipe.?Nos bastidores, no entanto, comentou-se que a equipe estava rachada desde a metade da competição. Ezinho, um dos principais jogadores do time, nega: ?Às vezes o Zé pedia alguma coisa no treino e quando não fazíamos direito ele estressava, mas não era nada demais. Sobre a briga dele com o Alan eu não posso nem falar, não sei do que se trata. Valia a pena o puxão de orelha.?E mesmo no comando de um time masculino, o treinador diz que acompanhou a competição feminina. ?Vi o primeiro jogo da final e gostei. Já era esperado um equilíbrio com as duas equipes, com decisão no tie-break. Não vou assistir a nenhum pessoalmente, verei pela tevê mesmo. Tenho conversado bastante com o Paulinho (Coco) e o Claudinho Pinheiro (são os assistentes da Seleção Femininas e técnicos de Finasa e Pinheiros, respectivamente) e estou atualizado.?O segundo jogo entre Finasa/Osasco e Rexona/Ades será nesta quarta, às 18h, com transmissão do SporTV.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.