Divulgação/FIVB
Divulgação/FIVB

Após vitória sobre França no vôlei, Bruninho adverte: 'Não podemos perder o foco'

Seleção masculina venceu o rival europeu em cinco sets na segunda rodada do Mundial

Estadão Conteúdo

13 Setembro 2018 | 18h34

A boa vitória por 3 sets a 2 sobre a França na segunda rodada do Campeonato Mundial de Vôlei, conquistada nesta quinta-feira em jogo espetacular em Ruse, na Bulgária, não escondeu as falhas apresentadas pela seleção brasileira. O levantador Bruninho fez questão de chamar a atenção do grupo do time nacional para os próximos jogos da competição nacional.

"Não podemos perder a concentração como ocorreu no terceiro set. Demoramos uns oito pontos para entrar no jogo. Isso não pode acontecer nas próximas partidas", disse o capitão da seleção, que considerou "valente" a postura da equipe comandada por Renan Dal Zotto diante de uma seleção que figura entre as principais favoritas ao título.

Wallace, autor de dois pontos decisivos nos momentos finais do quinto set, concorda com o companheiro de equipe. "Oscilamos muito no terceiro set. Jogamos muito abaixo. A partir daí, a França cresceu no quarto set e só voltamos a manter o equilíbrio no fim da partida", disse o oposto, que fez 20 pontos na partida.

O central Lucão, que marcou o ponto final do jogo, apontou o saque como o motivo do baixo rendimento da equipe no terceiro set. "O saque é o determinante das vitórias no vôlei atual. Nós sacamos bem nos dois primeiros sets e a França foi bem nos outros dois. E nós voltamos a sacar bem no quinto set. Essa variação não pode não pode acontecer." O jogador revelou que jogou tudo no último saque. "Eu não estava bem no saque. Pensei: 'Se tem de entrar, é agora'. E consegui um bom saque", reforçou.

Bruninho elogiou a disposição dos jogadores que entraram na seleção durante o confronto com os franceses. "Nossa diferença é o conjunto. Temos de jogar com 14 jogadores em todas as partidas. Diante da França, o Mauricio entrou e foi decisivo com dois bloqueios no fim do quinto set", disse o levantador.

O ponta Lipe festejou o fato de conseguir seis bloqueios na partida, dos quais cinco em cima do craque francês Ngapeth. "É uma delícia bloqueá-lo. Ele olha para a gente com raiva. E eu preciso me controlar para não rebater a provocação", disse o jogador, que sofre com uma lesão no cotovelo direito.

A seleção brasileira faz o seu terceiro jogo no Mundial no sábado, às 14h30 (de Brasília), diante da Holanda. "Não podemos dar mole. Precisamos vencer e por 3 a 0", disse Lucão ao projetar o duelo.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.