Divulgação/Fibv
Divulgação/Fibv

Astro da seleção francesa de vôlei é preso em MG por importunação sexual

Justiça fixa em R$ 50 mil a fiança para soltura de Earvin N'Gapeth, que se envolveu em confusão em casa noturna

Leonardo Augusto, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

10 de dezembro de 2019 | 11h31

O astro da seleção francesa masculina de vôlei Earvin N'Gapeth, de 28 anos, foi preso na madrugada de segunda-feira, 9, em casa noturna de Belo Horizonte acusado de importunação sexual. O jogador, do time russo Zenit Kazan, atuou pela equipe no Mundial de Clubes disputado em Betim, na Grande Belo Horizonte, competição encerrada no fim de semana com vitória do time italiano Civitanova, que bateu os brasileiros do Cruzeiro. O Zenit Kazan ficou em terceiro lugar. N'Gapeth foi levado para o presídio Nelson Hungria, em Contagem, ainda nesta segunda-feira, por volta das 16h30.

A justiça fixou em R$ 50 mil a fiança para soltura do jogador de Earvin N'Gapeth. O advogado do atleta, Dino Miraglia, afirmou que o pagamento será feito. A fiança foi determinada em audiência de custódia conduzida pela juíza Fabiana Cardoso Gomes Ferreira no Fórum Lafayette, a primeira instância da justiça em Minas Gerais.

O jogador responderá o processo em liberdade e terá que voltar ao Brasil para audiências, segundo informações do Fórum Lafayette. Conforme o advogado do atleta, N'Gapeth já retornou ao presídio Nelson Hungria. A soltura irá ocorrer assim que comprovado o pagamento da fiança.

A polícia foi chamada à casa noturna, por volta das 2h. Uma mulher de 29 anos, que não teve o nome revelado, afirmou que o jogador francês lhe deu um tapa na bunda. A vítima relatou que estava indo embora junto com o namorado e um amigo, quando isso ocorreu. Uma testemunha confirmou o relato da mulher. Aos policiais, o jogador francês disse que o tapa na bunda é comum entre homens ou mulheres em seu país, e também no vôlei, e que isso não configuraria nenhum tipo de agressão ou ofensa.

O jogador, que estava em um camarote com amigos, disse ainda que confundiu a mulher com uma conhecida e que, imediatamente após perceber o equívoco, pediu desculpas, que acabaram não sendo aceitas. A ocorrência foi registrada na Delegacia de Mulheres como importunação sexual, com pena de um a cinco anos de prisão.

Segundo informações da Polícia Civil, a legislação não prevê, para esse tipo de crime, pagamento de fiança na delegacia para liberação do acusado. A decisão de permanência na prisão, ou pagamento de fiança caberá exclusivamente ao juiz na audiência de custódia. O advogado de N'Gabeth, Dino Miraglia, disse hoje, por volta das 9h15, que estava no Fórum Lafayette, a primeira instância da justiça mineira, aguardando o início da audiência, e que, por isso, não poderia falar com a reportagem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.