Ausência de Marcelinho cria polêmica no Joinville

Uma polêmica envolvendo o levantador Marcelinho e o técnico Giovane Gávio tomou conta do Unisul/Joinville (SC), que no próximo sábado, às 17 horas, decide fora de casa contra o Santander/São Bernardo (SP) uma vaga na semifinal da Superliga masculina de vôlei.

AE, Agencia Estado

25 de março de 2009 | 18h28

Na partida de terça em Santa Catarina, o Joinville precisava bater o São Bernardo para se manter vivo na série melhor-de-três das quartas-de-final da competição. O treinador barrou o atleta medalhista de prata nos Jogos de Pequim e a equipe ganhou a partida por 3 sets a 0, com parciais de 31/29, 25/18 e 25/19.

Após o jogo, Giovane fez um breve comentário sobre a ausência de Marcelinho. "Temos 15 jogadores no elenco e os 12 melhores estavam selecionados para este jogo. Esta é nossa filosofia de trabalho", declarou.

Em entrevistas, o técnico já havia insinuado que não estava contente com o comportamento do vice-campeão olímpico. Nesta quarta, o jogador respondeu as acusações do comandante.

"Ouvi Giovane dizendo sobre comportamento, atitude, compromisso e liderança, mas não ouvi nada sobre o verdadeiro motivo que o levou a tomar esta decisão. E continuo sem saber. Tenho 20 anos de vôlei, uma carreira bonita dentro dos clubes e com a camisa do Brasil, e nunca fui um atleta irresponsável, nunca fui desagregador, polêmico ou inconsequente", destacou.

Apesar de dizer que não entende o que motivou a decisão do treinador, Marcelinho garante que treinará normalmente e estará à disposição para o jogo decisivo de sábado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.