Bernardinho diz que Brasil vive pior momento sob seu comando

O técnico da seleção brasileira masculina de vôlei afirma que a equipe passa por um momento de insegurança

EFE,

27 de julho de 2008 | 14h29

Com a derrota deste domingo para a Rússia, a seleção brasileira perdeu seu segundo jogo consecutivo na Liga Mundial de vôlei e, na opinião do técnico Bernardinho, atravessa seu "pior momento nos últimos oito anos".Veja também: Brasil perde para a Rússia na despedida da Liga Mundial Jogadores vêem Brasil ainda como favorito no vôlei em Pequim EUA batem Sérvia e são campeões da Liga Mundial de vôlei Técnico russo fica feliz com 3.º lugar da Liga Mundial A derrota na Liga Mundial de vôlei vai influenciar o desempenho do Brasil nas Olimpíadas?"Foi um golpe duro, passamos por um momento de insegurança. Derrotas sempre são prejudiciais, mas servem de motivação. É preciso tirar o melhor delas".O treinador afirmou que alguns jogadores, como o meio-de-rede Gustavo e o líbero Serginho, jogaram abaixo do que o de costume."O Gustavo rendeu abaixo do esperado. Conversei com ele ontem (sábado) à tarde, mas não consegui recuperar seu lado emocional. O Serginho foi outro que não jogou bem e ficou muito insatisfeito por não ter rendido mais", declarou o técnico, que assumiu a responsabilidade pelo resultado."Quando um jogador não rende bem, a culpa é minha. Eu não soube dar as instruções de forma correta. Se alguém não foi bem, a responsabilidade é de quem está no comando", explicou.No entanto, Bernardinho disse que as derrotas deste final de semana não vão mudar muito a sua rotina. "Para mim, não muda nada. Vou continuar sem dormir. Vamos ter noites de insônia".ABATIMENTOClaramente abatido na coletiva de imprensa neste domingo no Rio de Janeiro, Bernardinho voltou a afirmar que seus comandados sofreram uma pressão desnecessária ao disputar a fase final da Liga Mundial em casa."O Brasil corria um risco maior por ser o país-sede, foi um peso a mais. Agora é hora de sofrer, sangrar, é a dor do operário. A conversa é importante, mas a quadra é nosso divã".Para ele, os jogadores terão que reaprender a sofrer e reconquistar o espaço ponto a ponto. "O Brasil só conquistou títulos porque não sucumbiu às dificuldades", afirmou.O técnico revelou que alguns jogadores brasileiros entraram em quadra constrangidos após a derrota na semifinal de sábado para os Estados Unidos, que tirou o time da final da Liga Mundial. "Alguns sentiram a derrota, ficaram frustrados e entraram em quadra constrangidos".O comandante lamentou não ter conseguido recuperar o lado emocional da equipe após o resultado negativo do sábado. "Lamento não ter conseguido fazer com que eles se recuperassem emocionalmente. Foi a primeira vez que isso aconteceu".ELOGIOSOs brasileiros fizeram questão de elogiar o desempenho da Rússia, principalmente do oposto Maxim Mikhaylov, destaque do jogo."Conhecíamos pouco o Mikhaylov, que fez um grande estrago no nosso time. O técnico russo (Vladimir Alekno) foi sábio ao trocar o posicionamento deste jogador", disse Bernardinho, treinador do Brasil.O ponta Dante, que fez 18 pontos e foi o líder do quesito no Brasil, disse que "a mudança no posicionamento do Mikhaylov mudou tudo".Já o capitão Giba afirmou que os brasileiros "não conheciam bem este jogador jovem, que acabou surpreendendo".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.