Bernardinho fica sem medalha de ouro

Aos 43 anos, Bernardinho conseguiu a consagração. Ao comandar a seleção brasileira masculina de vôlei na conquista do inédito título de campeã mundial, o treinador somou seu 7º título em 9 competições disputadas - chegou à final de todas. Mas não poderá guardar a medalha de ouro como recordação de tal feito, pois só os jogadores a recebem.Medalha de prata como levantador reserva no Mundial de 1982, quando o Brasil perdeu a final justamente para a Rússia, Bernardinho também havia ficado no ?quase? como técnico da seleção feminina - foi o 4º colocado no Mundial de 1994. "É uma sensação muito especial para mim. Nos outros mundiais voltei sem medalha. Na Olimpíada de Atlanta, perdemos uma semifinal para Cuba e não disputamos a decisão. Me sinto realizado", comemorou o treinador.Segundo Bernardinho, a vitória brasileira foi ?justa?. "A equipe do Brasil jogou e lutou cada ponto como se fosse o último. Fizemos um voleibol espetacular e fomos um justo ganhador, porque enfrentamos os melhores e ganhamos de todos", disse o treinador, lembrando das vitórias sobre a tricampeã mundial Itália, nas quartas-de-final, e sobre a atual campeã olímpica Iugoslávia, nas semifinais - além da própria Rússia na decisão do título.?A diferença entre Brasil e o resto é que nós temos um grupo muito completo e soubemos aproveitar muito bem nossas virtudes: o jogo rápido e as individualidades. Sei que em bloqueio não somos os melhores, porque nos falta altura, mas cobrimos essa deficiência com o resto", explicou o técnico campeão do mundo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.