Bernardinho: melhor treinador do ano

O técnico Bernardo Rezende, o Bernardinho, da seleção brasileira masculina de vôlei, foi eleito hoje pelo Comitê Olímpico Brasileiro como o melhor treinador do Brasil de 2002. Antes da seleção masculina, Bernardinho dirigiu a equipe feminina, mas foi à frente da seleção masculina que Bernardinho conquistou os resultados mais expressivos, como o título inédito do Campeonato Mundial da Argentina, em outubro, e o vice-campeonato da Liga Mundial em 2001. Bernardinho foi eleito por uma comissão do Comitê Olímpico Brasileiro, que no ano passado elegeu Larri Passos, técnico do tenista brasileiro Gustavo Kuerten. Bernardinho receberá o troféu pela eleição no dia 17, em solenidade que o COB realizarã no auditório da Escola Naval, no Rio. Feliz com a escolha, o treinador prefere dividir os méritos do prêmio com jogadores e comissão técnica campeões na Argentina. "É uma grande honra ter sido escolhido entre tantos treinadores de qualidade. É o reconhecimento pelo trabalho feito em equipe. Represento um grupo e por essa razão, dedico esse prêmio aos atletas e à comissão técnica. Estou vivendo um momento especial na careira, mas sozinho não teria conseguido nada", disse. A escolha de melhor treinador do ano coube foi feita pelo COB, mas a eleição do melhor atleta da temporada caberá ao público. A votação será feita até o dia 16. No masculino, concorrem o jogador de vôlei Nalbert, o velejador Robert Scheidt e o tenista André Sá. No feminino, a disputa será entre a ginasta Daniele Hypólito, a jogadora de vôlei de praia Adriana Behar e Maurren Maggi, do atletismo. Robert Scheidt e Daniele Hypólito tentam o bi do troféu, pois foram eleitos em 2001. A votação está acontecendo pela internet, no site do COB (www.cob.org.br) e o resultado será anunciado dia 17, em solenidade na Escola Naval, no Rio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.