Bernardinho prega paciência e lucidez diante da França

Bernardinho prega paciência e lucidez diante da França

Apesar do ótimo desempenho da seleção, técnico alerta jogadores que será uma partida difícil e pede paciência diante dos rivais

Estadão Conteúdo

19 Setembro 2014 | 18h13

Campeã nas três últimas edições do campeonato, a seleção brasileira masculina de vôlei entra em quadra como grande favorita neste sábado, quando enfrenta a França na semifinal do Mundial, a partir das 11h40 (horário de Brasília), em Katowice, na Polônia. Apesar disso, o técnico Bernardinho já avisou que o Brasil não terá jogo fácil pela frente. Por isso mesmo, ele prega paciência e lucidez aos jogadores diante dos franceses.

"Conhecemos o valor e a qualidade técnica da França. O sistema de defesa deles, na minha opinião, é o melhor do mundo hoje. Além disso, eles têm uma variedade enorme de saques, que colocam a linha de recepção adversária em dificuldade. A partir disso, os times tendem a perder a paciência. Temos que ter lucidez para jogar o jogo e não sair arriscando de qualquer maneira, o que pode nos levar a cometer erros", afirmou Bernardinho.

Sem grande tradição no vôlei masculino - o melhor resultado é uma medalha de bronze no Mundial de 2002 -, a França vem fazendo campanha surpreendente nesta edição do campeonato, tendo perdido apenas duas vezes até agora, para a Itália na primeira fase e diante da anfitriã Polônia na segunda. O Brasil, por sua vez, teve performance ainda melhor: sofreu uma única derrota, já na terceira fase do torneio, quando levou 3 sets a 2 dos poloneses. 

Depois de dois dias de descanso, desde que venceu a Rússia na quarta-feira e garantiu a vaga, o Brasil teve tempo para recuperar os jogadores. O central Sidão, o oposto Wallace e o ponteiro Murilo estavam reclamando de dores durante a semana - este último, inclusive, chegou a ser desfalque na derrota de terça para os poloneses. Assim, Bernardinho deve ter força máxima neste sábado, quando também acontece a outra semifinal entre Polônia e Alemanha. 

E o sentimento entre os jogadores é de confiança, apesar de todos apontarem as dificuldades que o time terá pela frente diante dos franceses. O levantador Bruno, por exemplo, adota o mesmo discurso de Bernardinho. "Temos que ter paciência, porque do outro lado tem um time que vai defender bola. Então, não podemos perder a lucidez para jogar mesmo que não consiga fazer o ponto na primeira ação", avisou o capitão da seleção brasileira.

Destaque do Mundial, o ponteiro Lucarelli é outro que receita paciência neste sábado. "Tivemos um bom padrão de jogo em todas as partidas que fizemos e isso nos dá uma certa confiança para entramos em quadra. Temos que tentar manter o saque forçado, com consistência, evitando o erro e, assim, facilita um pouco para o nosso lado. Temos que manter a tranquilidade diante de um time que defende tão bem como a França", comentou o jogador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.