Divulgação
Divulgação

Bernardinho reclama da mudança na tabela do Mundial da Polônia

Após sorteio que definiu confrontos da terceira fase, seleção perde dia de folga e cai no 'grupo da morte', com Polônia e Rússia

Estadão Conteúdo

15 Setembro 2014 | 17h43

O técnico Bernardinho reclamou nesta segunda-feira da mudança na tabela do Mundial de Vôlei, que acabou prejudicando a seleção brasileira. Pela programação original, o Brasil jogaria teria uma folga entre os dois jogos da terceira fase, por ter feito a melhor campanha da competição. Mas isso foi mudado. Assim, enfrentará a anfitriã Polônia nesta terça e joga já no dia seguinte contra a Rússia.

Único invicto, o Brasil é dono da melhor campanha do Mundial. Mas as nove vitórias que conquistou até agora não valeram nada na definição das chaves da terceira fase. Um sorteio colocou a seleção brasileira ao lado de Polônia e Rússia, justamente os três principais favoritos ao título do campeonato - enquanto isso, os outros dois semifinalistas vão ser França, Irã ou Alemanha.

Terminar a segunda fase na liderança, como conseguiu o Brasil, serviria para ter um descanso na quarta-feira, entre os jogos com Polônia e Rússia, e também para continuar jogando em Katowice, cidade que abrigou o time de Bernardinho desde o início do Mundial. Mas, como caiu na chave dos anfitriões poloneses, a seleção teve que mudar para Lodz e ainda foi prejudicada com duas partidas seguidas.

"Já sabíamos que, se caíssemos na chave da Polônia, mudaríamos de sede, já que eles iriam jogar em Lodz, mas a mudança nos jogos é o que nos incomoda. O único direito que teríamos adquirido com a primeira colocação era ter um intervalo entre os dois jogos da terceira fase e não houve justificativa para essa alteração. O que estava estabelecido não foi respeitado", reclamou Bernardinho.

O descanso entre os dois jogos da terceira fase seria ainda mais importante porque três jogadores da seleção estão com problemas médicos. O oposto Wallace (torção no tornozelo esquerdo), o ponteiro Murilo (fisgada na coxa direita) e o central Sidão (dores no joelho direito), todos titulares do time, estão fazendo tratamento desde domingo, quando o Brasil derrotou a Rússia, e preocupam.

"O Murilo fez um estiramento e vamos precisar testá-lo a cada dia para ver como vai evoluir e se terá condição de jogo. O Wallace teve um entorse no tornozelo, mas acordou bem melhor hoje (segunda-feira). Claro que uma coisa é andar e outra é jogar, mas há alguma chance dele estar em quadra. E o Sidão está bem. Tem boas chances de jogar", contou o médico da seleção, Álvaro Chamecki.

Além dessas dificuldades, o Brasil terá pela frente nesta terça-feira a anfitriã Polônia, que vem fazendo boa campanha na competição e terá o apoio da sua fanática torcida - o jogo começa às 15h25 (horário de Brasília), em Lodz. Por isso mesmo, Bernardinho pede concentração aos seus jogadores, para poder continuar a caminhada em busca do quarto título mundial consecutivo.

"Agora temos que pensar no que precisamos que fazer. Treinar, recuperar quem for recuperável, estudar ao máximo e enfrentar uma grande equipe, que vem embalada por uma ótima campanha. O time da Polônia está jogando muito bem. Além disso, ainda enfrentamos uma torcida que é apaixonada pelo vôlei. Mas agora é mata-mata e está na hora do nosso time sobreviver", disse Bernardinho.

Mais conteúdo sobre:
vôlei Mundial de Vôlei Bernardinho

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.