FIVB/Divulgação
FIVB/Divulgação

Bloqueio australiano preocupa Brasil para estreia na 2ª fase do Mundial

Bruninho alerta para os perigos da partida contra a Austrália, que ocorra na sexta-feira

Estadao Conteudo

20 Setembro 2018 | 17h38

O levantador Bruninho destacou o forte bloqueio da Austrália como o grande obstáculo a ser ultrapassado pela seleção brasileira masculina de vôlei no primeiro jogo da segunda fase do Mundial, nesta sexta-feira, às 12 horas (de Brasília), em Bolonha, na Itália.

"A Austrália é um time que tem bom volume de jogo, já sabemos que vem fazendo muitos pontos no bloqueio, com os dois centrais pontuando muito bem, estão entre os primeiros nas estatísticas de bloqueio, um oposto que está muito bem e tem sido uma referência para o levantador. Não jogamos contra ele da outra vez e vamos precisar entender como ele joga. Amanhã é um dia muito importante e temos que entrar focado porque eles não têm nada a perder jogando como franco atiradores", disse o capitão.

Em 23 de junho, as duas seleções se enfrentaram pela Liga das Nações, em Melbourne, na Austrália, e a seleção venceu por 3 sets a 0. Apesar deste resultado, o técnico Renan Dal Zotto prevê um jogo complicado para o Brasil.

"Eles têm uma equipe jovem, que tem no seu ataque o grande diferencial, eles arriscam muito, e três canhotos, sendo eles os dois opostos, o que dificulta muito. A referência muda. Nesta quinta-feira no treinamento tentei fazer algo parecido, apesar de não termos nenhum jogador canhoto aqui, mas vim a simular alguma coisa para tentar ajustar isso", afirmou o treinador.

Depois da Austrália, o Brasil enfrenta no sábado a Eslovênia e a Bélgica, no domingo. O time de Renan precisa ficar em primeiro lugar no grupo ou ser um dos dois melhores segundos colocados para seguir na competição.

A fase final do Mundial será disputada entre os dias 26 e 30 deste mês, em Turim, na Itália. Na primeira fase, o Brasil passou por Egito, França, Canadá e China a acabou superado pela seleção holandesa, classificando em primeiro lugar na sua chave, com 11 pontos.

 
 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.