Boa fase de Lucarelli é trunfo do Sesi na final do Paulista

Atleta revelação pretende coroar ótima temporada com seu primeiro título em São Paulo; briga é com o Brasil Kirin

Amanda Romanelli, O Estado de S. Paulo

27 de outubro de 2013 | 07h24

SÃO PAULO - Ricardo Lucarelli diz que não era muito maior do que os meninos da sua idade. Portanto, não foi a altura que o fez encontrar o vôlei – agora, aos 21 anos, tem 1,96 m, o que não chega a ser grande coisa para um esporte de gigantes. Mas foi tocar na bola para tentar um saque, durante o treino de sua irmã Rafaelli, que o mineiro de Contagem encontrou seu destino. "A bola sobrou e dei o saque. Todo mundo ficou surpreso, porque eu nunca tinha pegado em uma bola de vôlei. Disseram que eu tinha jeito", lembra o ponta sobre a experiência aos 14 anos. "Acho que tinha de ser".

 

Lucarelli jogou futebol por seis anos, passou por handebol, basquete, nadou – era hiperativo. Mas por causa do saque revelador, tornou-se jogador de vôlei e é considerado uma das revelações brasileiras. No dia 13 de outubro, ele conquistou o título mundial sub-23, no torneio realizado em Uberlândia (MG), e foi eleito o melhor jogador do campeonato. Neste domingo, às 13 horas, começa a disputar o primeiro título com sua nova equipe, o Sesi, que briga pelo tetracampeonato paulista com o Brasil Kirin, de Campinas.

 

 

O ano de 2013 tem sido especial para o ponta. Além do ouro com a seleção aspirante, Lucarelli também atuou em toda a temporada da seleção adulta. Com a confiança do técnico Bernardinho – que chegou a compará-lo a Giba e a Nalbert –, foi titular na Liga Mundial e no Sul-Americano. Também terminou a última Superliga, ainda no Minas, como o maior pontuador do torneio – 462 acertos, o mais jovem a liderar a estatística na história da competição.

 

Peça importante na renovação da equipe para 2016, Lucarelli foi com a seleção para Londres-2012. Segundo o próprio jogador, com "5% de chances" de jogar o torneio no lugar de Giba, que estava lesionado, mas se recuperou a tempo de disputar sua última Olimpíada.

 

Mas foi a lesão de outro jogador que acabou abrindo as portas para Lucarelli: Murilo operou o ombro direito e está afastado das quadras. O jovem ponteiro virou seu substituto, tanto na seleção, quanto no Sesi, e aproveita a oportunidade de jogar com dois ídolos – o ponta Dante, na equipe nacional, e o líbero Serginho, no clube. "Sou privilegiado de estar ao lado de jogadores como eles, que têm experiência e qualidade de sobra. São caras que eu sou fã e eu só tenho que agradecer pelas oportunidades."

 

Oportunidades e elogios não faltaram a Lucarelli até agora, mas o jogador não se ilude. "Fico feliz, mas sei que tenho é que treinar." O ponta espera se firmar nos próximos anos para poder continuar na seleção e, quem sabe, disputar os Jogos do Rio. "Espero fazer por merecer a convocação. Sei que tenho muitas coisas para melhorar."

 

FORMATO DIFERENTE

A final do Campeonato Paulista será disputada em dois jogos – o segundo é na quinta-feira, às 19 horas, em Campinas. Se cada time ganhar um jogo, o desempate será no “golden set”: uma parcial a mais vai ser jogada e, quem vencer, leva a taça.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.