Brasil arrasa Cuba e conquista o hepta no Grand Prix de vôlei

Brasileiras superam cubanas por 3 sets a 0 e garantem mais um título; objetivo agora são os Jogos de Pequim

Redação,

12 de julho de 2008 | 00h45

A seleção brasileira feminina de vôlei conquistou neste sábado o sétimo título em sua história do Grand Prix. A conquista foi obtida com uma vitória por 3 sets a 0 contra a Cuba, com parciais de 25/14, 25/15 e 25/20. O resultado deixa o Brasil com oito pontos na fase final do torneio, com quatro vitória em quatro jogos, faltando apenas uma rodada para o término da competição. O time do técnico José Roberto Guimarães não pode ser alcançado por mais ninguém.Veja também: 'Não me iludo com este título', diz o técnico Zé RobertoNo confronto decisivo contra Cuba, realizado em Yokohama, no Japão, o Brasil começou a mostrar sua força logo no primeiro set. Com um bloqueio de Walewska, abriu 4 a 3 no placar e se manteve sempre à frente. A equipe continuou dominando a partida e se aproveitou do estado emocional das cubanas, que estavam atordoadas e não conseguiam reagir.As comandadas de Zé Roberto se destacavam pelos pontos de bloqueio e chegaram a abrir 18 a 11, o que fez o técnico cubano Antonio Perdomo parar a partida. O massacre do primeiro set foi encerrado com um ponto de ataque da ponta Mari, que fez 25 a 15 para o Brasil.Na volta do intervalo, as cubanas endureceram o jogo e deram a impressão que o Brasil teria mais trabalho. Quando perdia por 11 a 10, Cuba marcou um ponto de ataque após um rally, mas Zé Roberto protestou muito contra a arbitragem. A pressão funcionou, o árbitro foi consultar seu auxiliar e voltou atrás.A partir daí, as adversárias das brasileiras voltaram a se perder na partida e se tornaram presas fáceis. Um novo ataque de Mari, maior pontuadora do confronto com 17 pontos, fechou o set em 25 a 14.Já no terceiro set Cuba mostrou mais concentração e brigou ponto a ponto com as brasileiras. Porém, Ramirez parou no bloqueio de Walewska e o Brasil conseguiu respirar ao abrir 15 a 13. Na seqüência, Sheilla fez o 16º em um momento crucial da partida.Thaisa marcou mais um e o Brasil abriu 22 a 18, fazendo com que Perdomo parasse a partida novamente. A conversa não surtiu efeito e um bloqueio duplo de Mari e Walewska fechou o último set em 25 a 20.As brasileiras voltam à quadra contra o Japão no domingo, às 6h de Brasília, apenas para cumprir tabela na competição. O objetivo agora é se preparar para os Jogos Olímpicos de Pequim, em agosto. O Brasil tentará pela primeira vez conquistar a medalha de ouro no vôlei feminino.A atacante Paula Pequeno resumiu, em meio à comemoração da vitória, as razões do sucesso do time. "O Brasil conseguiu manter um alto nível de concentração nesta competição. Isso está sendo decisivo", afirmou a jogadora, em entrevista ao SporTV.HEPTAO Brasil conquistou sua primeira medalha de ouro no Grand Prix na segunda edição do torneio, em 1994, em Xangai, na China, quando derrotou Cuba na final. O segundo título foi no mesmo palco e mais uma vez contra as cubanas, dois anos depois. Já o terceiro, em 1998, foi sobre a Rússia, em Hong Kong. Em 2004, em Reggio Calábria, as brasileiras superaram as italianas, donas da casa, que voltaram a ser as adversárias da decisão de 2005, em Sandai, no Japão. Em 2006, novamente em Reggio Calabria, a seleção superou a Rússia na decisão.Em mais três oportunidades o Brasil subiu no pódio do Grand Prix. Em 1995, conquistou a medalha de prata ao perder na final para os Estados Unidos, em Pequim, na China. Em 1999, mais um vice-campeonato que veio na derrota para a Rússia, na cidade chinesa de Yu Xi. No ano seguinte, em Manila, nas Filipinas, a seleção brasileira terminou na terceira colocação.Depois do Brasil, a Rússia foi quem mais venceu no Grand Prix, com três títulos (1997, 1999 e 2002). Cuba e Estados Unidos ganharam em duas oportunidades cada. As cubanas foram vitoriosas em 1993 e 2000. Já as norte-americanas ganharam em 1995 e 2001. China e Holanda foram campeãs uma vez, respectivamente em 2003 e 2007. (Com EFE e Agência Estado)(Atualizada às 9h15 para acréscimo de informações)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.