Wander Roberto/Inovafoto/CBV
Wander Roberto/Inovafoto/CBV

Brasil classifica mais 3 duplas às oitavas da etapa de Ostrava do vôlei de praia

Ágatha/Duda, André Stein/George e Pedro Solberg/Vitor Felipe se juntam a outras cinco duplas já garantidas

Redação, O Estado de S.Paulo

31 de maio de 2019 | 20h33

O Brasil classificou nesta sexta-feira mais três duplas às oitavas de final da etapa de Ostrava do Circuito Mundial de Vôlei de Praia. Ágatha/Duda, André Stein/George e Pedro Solberg/Vitor Felipe venceram na repescagem na República Checa e se uniram aos outros cinco times que já estavam garantidos. São eles: Ana Patrícia/Rebecca, Carol Solberg/Maria Elisa, Fernanda Berti/Bárbara Seixas, Alison/Álvaro Filho e Evandro/Bruno Schmidt. As oitavas começam neste sábado às 4h30 (de Brasília).

Ágatha e Duda venceram na repescagem as checas Kubickova/Kvapilova por 2 sets a 0, com duplo 21/15, em 32 minutos. Elas encaram neste sábado as australianas Taliqua Clancy e Mariafe Artacho pela próxima fase.

André Stein e George conquistaram a vaga ao superarem os russos Liamin e Myskiv por 2 sets a 0 (21/13, 24/22), em 38 minutos. Os seus próximos adversários serão os russos Krasilnikov/Stoyanovskiy em outro confronto deste sábado.

Pedro Solberg e Vitor Felipe, por sua vez, superaram na repescagem os austríacos Doppler e Horst, de virada, por 2 sets a 1 (18/21, 21/16, 16/14), em 47 minutos. O próximo duelo da parceria na competição será contra os compatriotas Alison e Álvaro Filho. Evandro e Bruno Schmidt duelam por uma vaga nas quartas de final contra os russos Semenov e Leshukov.

Na disputa feminina em Ostrava, Ana e Rebecca irão enfrentar as norte-americanas Summer Ross e Sara Hughes, enquanto a dupla Fernanda/Bárbara terá pela frente as chinesas Chen Xue e Xinxin Wang, enquanto Carol Solberg e Maria Elisa vão encarar as holandesas Keizer e Meppelink.

Os torneios do Circuito Mundial são divididos em estrelas (uma até cinco). Ostrava é o quinto torneio nível quatro estrelas em 2019. Outros cinco desta categoria serão realizados até o final do ano, com distribuição de cerca de R$ 1,2 milhão em prêmios para todos os times em disputa, com R$ 80 mil para a dupla campeã de cada naipe. A competição também dará 800 pontos aos campeões.

A corrida olímpica que define as duplas brasileiras para Tóquio-2020 leva em consideração os dez melhores resultados nos eventos quatro e cinco estrelas, além do Campeonato Mundial. Essa disputa acontece em paralelo com a disputa para assegurar a vaga do país, que segue as regras da Federação Internacional de Voleibol (FIVB). Cada nação pode ser representada por, no máximo, duas duplas em cada naipe.

Os países possuem quatro maneiras de garantir a vaga: vencendo o Campeonato Mundial 2019; sendo finalista do classificatório olímpico, que será disputado na China, também neste ano; estando entre as 15 melhores duplas do ranking olímpico internacional; vencendo uma das edições da Continental Cup (América do Norte, América do Sul, África, Ásia e Europa). O Japão, como país-sede, tem uma dupla em cada naipe já garantida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.