Divulgação/FIVB
Divulgação/FIVB

Brasil começa com três vitórias em etapa chinesa do vôlei de praia

Única derrota no torneio feminino foi de Josi e Lili (SC/ES), superadas pelas espanholas Paula Soria/María Belén Carro

Estadao Conteudo

01 Outubro 2018 | 15h22

O Brasil começou com três vitórias sua participação na etapa de Qinzhou, na China, do Circuito Mundial de Vôlei de Praia temporada 2018/2019. No feminino, a dupla Ana Patrícia/Rebecca, líder do ranking brasileiro, venceu Nai-Han Kou e Pi Hsin Liu, de Taiwan, por 2 sets a 0, com parciais de 21/15 21/16, pelo Grupo A.

No Grupo F, Maria Clara e Elize Maia superaram as polonesas Wachowicz/Gruszczynska, por 2 sets a 0, com parciais de 22/20 e 21/18, enquanto a dupla Ângela/Carol Horta bateu as japonesas Futami/Hasegawa, por 2 sets a 0 (21/19 e 28/26), no Grupo H.

A única derrota no torneio feminino foi de Josi e Lili (SC/ES), superadas pelas espanholas Paula Soria/María Belén Carro por 2 sets a 0 (18/21 e 18/21), pelo Grupo E.

No masculino, Oscar e Luciano, únicos representantes brasileiros, que estão no Grupo B, fizeram uma partida equilibrada contra os russos Hudyakov/Bykanov, mas acabaram derrotados no tiebreak: 21/15, 17/21 e 13/15.

Todas as duplas do Brasil voltam a entrar em ação nesta terça-feira, em busca de uma vaga na próxima fase do torneio.

A etapa conta com 32 duplas, divididas em oito grupos de quatro. As primeiras colocadas de cada chave avançam direto às oitavas de final, enquanto segundas e terceiras disputam uma rodada extra. Os torneios de categoria três estrelas rendem 600 pontos aos campeões, além de cerca de R$ 40 mil em prêmios.

O Circuito Mundial retorna a Qinzhou pela segunda temporada consecutiva. Em 2017, times da Austrália e Rússia venceram no feminino e masculino, respectivamente. Ao todo, são cerca de R$ 600 mil distribuídos. Após Qinzhou, a China receberá mais um evento do Circuito Mundial 2018/2019, entre os dias 10 a 14 de outubro. Será a etapa quatro estrelas de Yangzhou.

 

 

Mais conteúdo sobre:
vôlei de praiavôlei

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.