Darko Vojinovic/AP
Darko Vojinovic/AP

Brasil conquista a Liga Mundial e iguala títulos da Itália

Seleção bate a Sérvia em Belgrado na decisão por 3 sets a 2 e conquista o torneio pela oitava vez

Rafael Vergueiro, estadao.com.br

26 Julho 2009 | 17h30

A seleção brasileira masculina de vôlei é oito vezes campeã da Liga Mundial. Após uma campanha brilhante, com apenas uma derrota em 16 partidas, o Brasil venceu neste domingo a final emocionante contra os donos da casa em Belgrado, na Sérvia, por 3 sets a 2, com parciais de 22/25, 25/23, 25/22, 23/25 e 15/12.

Veja também:

mais imagens GALERIA DE FOTOS - O jogo e a festa do título

especialESPECIAL - Todas as conquistas do Brasil

A conquista faz o Brasil igualar à Itália, que até hoje era isoladamente a maior campeã do torneio em todos os tempos. Das últimas nove Ligas Mundiais, os comandados do técnico Bernardinho conquistaram sete (curiosamente, só perderam em 2002 e 2008, quando a fase final do campeonato foi disputada no País). O time brasileiro também foi campeão em 1993.

O título mostra que a nova geração do vôlei brasileiro pode dar tantas alegrias ao torcedor como a anterior, que faturou praticamente todos os títulos possíveis na última década. Entre os jogadores que participaram da competição, apenas cinco estiveram presentes na campanha da medalha de prata da Olimpíada de Pequim, no ano passado - Giba, Rodrigão, Bruno Rezende, Murilo e Serginho.

Durante a competição, Lucas e Leandro Vissotto se juntaram aos vice-campeões olímpicos e se firmaram entre os titulares da equipe de Bernardinho. A partir da semifinal, com a contusão de Rodrigão (jogou somente alguns instantes da decisão), Sidão entrou bem no time e atuou com destaque nos confrontos decisivos.

No confronto deste domingo contra a Sérvia, o Brasil teve muito trabalho para parar Miljkovic, que não deu chances à defesa brasileira na primeira parcial. O levantador Grbic colocava praticamente todas as bolas no experiente jogador.

Mas, a partir do segundo set, a defesa e o bloqueio, fundamentos essenciais da equipe brasileira durante toda a campanha na Liga Mundial, começaram a funcionar. A seleção ganhou o controle da partida e caminhou rumo à conquista em Belgrado.

EQUILÍBRIO

Com o crescimento em quadra de jogadores como Giba, Lucas e Murilo, o Brasil jogou a pressão para o adversário, que começou a cometer muitos erros. No entanto, com o apoio da torcida que lotava a Beogradska Arena, os sérvios mantiveram o equilíbrio da partida, que ganhou em emoção até o ponto decisivo.

Mesmo com os erros de arbitragem (no quarto set, após ser chamado pelos integrantes da mesa, o juiz teve que voltar atrás em um ponto e computá-lo a favor do Brasil), que tirou alguns pontos importantes da seleção brasileira durante toda a partida, a seleção imprimiu um ritmo forte e conseguiu parar Miljkovic em pontos decisivos, para vencer a segunda parcial.

No terceiro set, o domínio brasileiro foi total e a Sérvia só chegou um pouco mais perto no marcador quando a vitória do Brasil já estava quase garantida. O quarto set foi o mais equilibrado e polêmico. O time de Bernardinho se desconcentrou na hora decisiva e permitiu o empate.

No quinto e decisivo set, a seleção brasileira chegou a estar perdendo por três pontos de diferença, mas aplicou uma virada espetacular sobre o adversário e garantiu a conquista da Liga Mundial. Giba fez o ponto do título.

FREGUÊS

A Sérvia nunca conquistou uma Liga Mundial e tem o Brasil como principal algoz. Em 2003 e 2005, ainda como Sérvia e Montenegro, a equipe foi superada pelo Brasil também na final. A Iugoslávia, que deu origem ao país, foi campeã olímpica nos Jogos de 2000, em Sydney.

Curiosamente, o cenário da decisão de 2005 foi o mesmo, em Belgrado. Na ocasião o Brasil perdeu a primeira parcial, e depois dominou o jogo para ganhar por 3 sets a 1 (14/25, 25/14, 25/19 e 25/16).

ERA BERNARDINHO

Com o título deste domingo, o treinador da seleção brasileira aumenta seu currículo vencedor na seleção brasileira. Além de sete Ligas Mundiais, tem duas medalhas olímpicas (ouro em Atenas e prata em Pequim), duas Copas do Mundo (2003 e 2007), dois Mundiais (2002 e 2006) e os Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro em 2007.

Darko Vojinovic/AP

O pódio com a delegação brasileira após receber a taça de campeão da Liga Mundial de vôlei 2009

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.