FIVB/Divulgação
FIVB/Divulgação

Brasil derrota EUA com reservas e avança invicto no vôlei

Seleção vai à 3ª fase do torneio após vitória por 3 sets a 0 sobre as americanas; regulamento não garante vida fácil na próxima fase

Estadão Conteúdo

05 de outubro de 2014 | 16h45

O Brasil vai à terceira fase do Mundial Feminino de Vôlei com uma campanha perfeita. Neste domingo, em Verona, pela última rodada da segunda fase, Zé Roberto escalou as reservas para um amistoso de luxo contra o time B dos Estados Unidos. Com grande atuação de Tandara, o Brasil venceu por 3 sets a 0, parciais de 25/23, 25/22 e 25/21.

Com o resultado, o Brasil chegou aos 20 pontos no Grupo F, contra 18 dos EUA e 13 da Rússia, equipe que garantiu a última vaga na terceira fase ao vencer a Sérvia, quarta colocada. Na outra chave avançaram Itália, China e República Dominicana.

O primeiro lugar não significa muita coisa, exceto ser cabeça de chave no sorteio de logo mais e ter a garantia de não enfrentar o primeiro colocado do outro grupo. Não há, porém, a garantia de que o Brasil vai cair num grupo com dois terceiros ou dois segundos colocados, por exemplo. Nem que vai ter um dia de folga entre os dois jogos da terceira fase.

Como nada disso estava no regulamento do Mundial Masculino e acreditava-se que o primeiro lugar era importante, Brasil e Rússia, entre os homens, jogaram com força máxima num jogo em situação idêntica ao Brasil x EUA do Mundial Feminino. Naquela partida diante dos russos, o time de Bernardinho perdeu Murilo e Wallace, machucados.

A lição foi aprendida por Zé Roberto Guimarães, que mandou a quadra o time reserva do Brasil, com Fabíola, Tandara, Natália, Gabi, Carol e Adenízia. A única titular que jogou foi a líbero Camila Brait. Do outro lado, os EUA também escalaram apenas reservas, uma vez que também estavam classificados.

Tandara fez uma partida brilhante e anotou 20 pontos, seguida na pontuação pela garota Gabi, que fez 11, e pela ponta Natália, que anotou 10. Fabíola, além de distribuir bem o jogo no ataque, também sacou muito bem. Tanto que foi com ela sacando que o Brasil virou o primeiro set, para fechar em 25/23.

O segundo set foi mais tranquilo, dominado pelo Brasil desde o início. A vantagem chegou a seis pontos, foi reduzida, mas o time brasileiro não teve problemas para fazer 25/22. Já o terceiro set foi um pouco mais apertado, com os dois times errando bastante. Nos momentos decisivos, a defesa brasileira funcionou e Adenízia fez o último ponto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.