Brasil é derrotado pelos EUA e está fora da Liga Mundial

Seleção brasileira perde para os norte-americanos por 3 sets a 0 e disputará o terceiro lugar do torneio

Rafael Vergueiro, estadao.com.br

26 de julho de 2008 | 11h48

Em um jogo emocionante e muito disputado, o Brasil perdeu por 3 sets a 0 para os Estados Unidos na manhã deste sábado no Ginásio do Maracanãzinho, no Rio de Janeiro, e não tem mais chances de conquistar pela sexta vez consecutiva a Liga Mundial de vôlei masculino. Os norte-americanos venceram o confronto válido pelas semifinais da competição com parciais de 25/23, 25/22 e 27/25.Veja também: Brasileiros lamentam derrota para os EUA na Liga Mundial Veja imagens da derrota do Brasil para os EUA na Liga Mundial Sérvia bate Rússia e enfrenta EUA na final da Liga MundialAgora, na grande final do torneio neste domingo, a seleção dos EUA encara a Sérvia, que bateu a Rússia na outra semifinal. Já a seleção brasileira disputa o terceiro lugar contra o perdedor do mesmo confronto.O time comandado pelo técnico Bernardinho, que já conquistou a Liga Mundial sete vezes, se prepara também para os Jogos Olímpicos de Pequim, em agosto. No vôlei masculino, o Brasil já foi campeão duas vezes em Olimpíadas, em Barcelona-1992 e Atenas-2004.DERROTA DURAEsta é a primeira vez que a seleção brasileira fica fora de decisão da Liga Mundial na 'era Bernardinho'. Desde 2001 o Brasil participou de todas as finais e só perdeu em 2002 para a Rússia, justamente quando a fase decisiva do torneio aconteceu também no Rio de Janeiro.Com a vitória, os Estados Unidos mostram que serão um adversário muito forte em Pequim e poderão brigar pela medalha de ouro. É consenso entre os jogadores brasileiros que o jogo norte-americano é o que melhor encaixa contra o do Brasil.Na Copa do Mundo de vôlei do ano passado, conquistada pela seleção brasileira, os comandados de Bernardinho perderam somente uma partida, justamente contra os EUA na estréia, também por 3 sets a 0.O time norte-americano baseia seu jogo em um saque muito forte e na marcação das principais jogadas do adversário. Os principais destaques da equipe são os atacantes Stanley e Priddy, que sacam e atacam muito forte.TORCIDAA torcida brasileira começou a partida empolgada no Ginásio do Maracanãzinho, dando muito apoio aos jogadores brasileiros. Com André Heller no time titular e Rodrigão na reserva (ele ainda se recupera de lesão), o time começou bem o confronto e realizou muitos bloqueios, parando a força do ataque adversário.No entanto, a seleção dos Estados Unidos mostrou poder de recuperação e equilibrou o jogo no final do set. Após uma boa bola de Priddy, os visitantes fecharam em 25 a 23.No segundo set, os EUA voltaram ainda mais confiantes e deixaram a situação difícil para o Brasil, que claramente não encontrava meios para colocar o jogo sob seu controle. Reflexo disso era a pouca vibração do time em quadra.Após os americanos abrirem quatro pontos de vantagem, a seleção brasileira ainda chegou a encostar no marcador, mas já era tarde e os Estados Unidos ganharam a segunda parcial por 25 a 22.Já no terceiro set, tudo já parecia decidido para os EUA quando o Brasil esboçou uma grande reação. Tirou quatro pontos de diferença e chegou a ter a chance de fechar o set. No entanto, quando a parcial ficou 25 a 25, Dante e depois Anderson demonstraram muito nervosismo e jogaram duas bolas para fora, o que decretou a derrota brasileira. Atualizado às 15h10 para acréscimo de informação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.