Vicente Condorelli/Divulgação
Vicente Condorelli/Divulgação

Brasil espera Cuba 'sem responsabilidade' no Grand Prix de Vôlei

Com equipe renovada, rivais entram em quadra contra o Brasil nessa sexta-feira, no Cazaquistão

AE, Agência Estado

15 de agosto de 2013 | 10h57

ALMATY - A seleção brasileira feminina de vôlei estreia na terceira e última etapa de classificação do Grand Prix nesta sexta-feira, e logo diante de seu maior rival histórico. A equipe de José Roberto Guimarães terá pela frente Cuba às 6 horas (de Brasília), em Almaty, no Casaquistão, e não esconde que espera dificuldade mesmo diante de um adversário renovado e "sem responsabilidade".

"Cuba está com uma equipe nova, mas talentosa. É um time diferente do que estamos acostumados a jogar. Elas vão entrar em quadra sem nenhuma responsabilidade. Sabemos que o nosso saque e bloqueio precisam funcionar para segurarmos o ataque cubano. Temos que entrar atentas para fazermos o nosso jogo", disse a central Fabiana.

O time brasileiro não vive seu melhor momento e está apenas em sexto lugar na classificação geral, após cinco vitórias e uma derrota nas duas primeiras semanas de disputa. Avançam à próxima fase as cinco melhores seleções, mas o Japão, atualmente na segunda posição, já está previamente assegurado por ser o anfitrião da disputa do título, que será entre os dias 28 de agosto e 1º de setembro, na cidade de Sapporo.

Por isso, o técnico José Roberto Guimarães ressaltou a importância de começar a terceira etapa com uma vitória. "Cuba e Brasil sempre será um clássico. É um jogo importante, ainda mais por ser a estreia nessa fase. Precisamos de uma boa vitória contra Cuba para seguirmos na luta pela classificação."

O treinador ainda comentou sobre os próximos adversários do Brasil na competição. "Depois, vamos jogar contra a Holanda, que enfrentamos em três jogos no Brasil. Acho que essa será a nossa partida mais perigosa aqui em Almaty. A Flier, que não atuou nos amistosos no Brasil e já foi eleita a jogadora mais valiosa do Grand Prix, deve jogar aqui. Ela pode fazer a diferença. E para finalizar, vamos enfrentar o Casaquistão que joga em casa", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.