Brasil perde e Cuba conquista a Copa América de vôlei

Seleção brasileira é derrotada por 3 sets a 2 na grande decisão e fica com mais um vice-campeonato

EFE,

28 de setembro de 2008 | 14h59

A seleção cubana de vôlei masculino venceu o Brasil por 3 sets a 2, com parciais de 26/24, 19/25, 27/25, 16/25 e 15/9, e conquistou a Copa América neste domingo em Cuiabá.O primeiro set da partida foi equilibrado e o Brasil esteve na frente do placar na maior parte do tempo. No entanto, Cuba reagiu e fechou por 26 a 24, com um ponto de ataque.Os comandados de Bernardinho melhoraram no segundo set e, errando menos, conseguiram abrir uma boa vantagem. Jogando bem, a seleção empatou a partida com um ace de Eder.Porém, Cuba voltou a impor seu jogo e, após várias trocas de liderança no placar, fez 2 sets a 1 após um erro de ataque de Murilo.Os vice-campeões olímpicos reagiram no quarto set e, atuando em alto nível, chegaram a estar vencendo por 18 a 10. E com um erro de saque de Sanchez, os brasileiros fecharam em 25 a 16.O Brasil começou bem o tie break, mas deixou Cuba crescer na partida. Os visitantes aproveitaram o momento de fragilidade dos comandados de Bernardinho e abriram 10 a 5, irritando o técnico brasileiro.As broncas do treinador não surtiram efeito e, com um erro de saque de Bruninho, Cuba fechou o jogo e garantiu o título.Este foi o segundo torneio consecutivo que o Brasil perdeu em casa. No final de julho, a equipe foi eliminada nas semifinais da Liga Mundial, em pleno Maracanãzinho, pelos Estados Unidos.O último jogo entre as duas seleções havia sido nos Jogos Pan-Americanos, no Rio de Janeiro, em 2007. Na ocasião, o Brasil venceu por 3 sets a 0, com parciais de 25/23, 25/20 e 25/20.Mais cedo, a Venezuela derrotou a Argentina por 3 sets a 0, com parciais de 25/19, 25/16 e 25/16, e ficou com o terceiro lugar.O venezuelano Luis Diaz, que já atuou no Brasil, foi o maior pontuador, com 15 pontos, sendo 14 de ataque e um de bloqueio. O melhor resultado da seleção na competição havia sido o quinto lugar nas edições de 1998, 2001 e 2005.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.