Brasil perde para a China no Mundial

A seleção brasileira feminina de vôlei lutou bastante, mas não conseguiu superar a muralha chinesa, neste sábado, em Leipzig, pela segunda rodada do Mundial da Alemanha. Diante de 4.500 torcedores, a China, o melhor time da Ásia e favorita ao título da competição, derrotou a renovada seleção de Marco Aurélio Motta por 3 sets a 1, parciais de 25/23, 23/25, 25/17 e 25/23, em quase duas horas de um jogo bastante equilibrado. Para as chinesas, este foi o primeiro desafio no Mundial. Na primeira rodada da fase de classificação, as asiáticas não tiveram problemas para atropelar as frágeis australianas por 3 sets a 0 (25/12, 25/18 e 25/16), em apenas uma hora, e também não devem encontrar dificuldades para garantir vaga na próxima fase do torneio. Apesar de vencer um set, o Brasil, medalha de bronze na Olimpíada de Sydney, em 2000, não conseguiu encontrar o caminho para bater as rivais. Nem por isso a partida foi menos emocionante. O primeiro set permaneceu indefinido por longo tempo, com a boa forma física e o espírito de equipe brasileira procurando resistir à muralha chinesa no bloqueio e ao ataque poderoso das chinesas, que fecharam a parcial em 25/23. No início do segundo set, o Brasil abriu vantagem de 4 a 0. Lideradas pela capitã Karin Rodrigues, as brasileiras dominaram a série e fecharam em 25/23. A terceira série mostrou vantagem chinesa desde o início. Sem encontrar muita resistência das adversárias, as asiáticas levaram apenas 21 minutos para definir o set em 25/17. A China entrou no quarto set determinada a decidir rapidamente a vitória, mas não conseguiu distanciar-se no marcador. Após alguns ralis emocionantes, no segundo tempo técnico o placar apontava 16 a 14 para as chinesas. As brasileiras ainda deixaram tudo igual em 22 a 22, mas não conseguiram evitar a vitória chinesa por 25/23. Brasil e China estão no grupo D do Mundial, ao lado de Polônia, Austrália, Grécia e Tailândia. As brasileiras voltam à quadra neste domingo, às 12 horas (horário de Brasília), diante das australianas.

Agencia Estado,

31 Agosto 2002 | 11h18

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.