Divulgação/FIVB
Divulgação/FIVB

Brasil poupa titulares, mas arrasa Camarões no Mundial de Vôlei

Zé Roberto utiliza reservas e não se decepciona com fácil triunfo no segundo jogo no torneio por 3 a 0, parciais de 25/14, 25/15 e 15/18

Estadão Conteúdo

24 Setembro 2014 | 13h33

A seleção brasileira feminina de vôlei teve uma espécie de treino de luxo nesta quarta-feira. Pela segunda rodada do Mundial da Itália, sequer precisou de suas principais estrelas para atropelar a frágil equipe de Camarões por 3 sets a 0, com parciais de 25/14, 25/15 e 25/18, na cidade de Trieste.

Sabedor da fragilidade do adversário e pensando no restante do longo calendário previsto para este Mundial, o técnico José Roberto Guimarães levou o Brasil à quadra sem nenhuma titular. Dani Lins, Sheilla, Jaqueline, Fê Garay, Fabiana e Thaísa deram lugar a uma escalação alternativa, com Fabíola, Tandara, Gabi, Natália, Carol e Adenízia. Da equipe principal, somente a líbero Camila Brait atuou.

Mesmo assim, a seleção brasileira não teve qualquer dificuldade para conseguir sua segunda vitória, a segunda sem perder nenhum set, após o 3 a 0 na estreia sobre a Bulgária terça-feira. O resultado levou a equipe aos seis pontos no Grupo B do torneio. O próximo adversário será o Canadá, nesta quinta-feira, às 5h30 (de Brasília).

Nesta quarta, a seleção entrou em quadra sem sentir qualquer tipo de falta de entrosamento e abriu logo nove pontos de vantagem: 10 a 1. A facilidade era tamanha que o destaque do primeiro set ficou por conta de uma bela defesa da ponteira Gabi com o pé quando o placar estava em 23 a 11.

Na segunda parcial, o panorama não se alterou. Se a ampla vantagem não foi aberta logo de cara, acabou acontecendo no fim do set, graças ao bom saque e bloqueio das brasileiras e à fragilidade das camaronesas, tanto na recepção quanto no ataque.

Mas a tranquilidade foi prejudicial ao Brasil no terceiro set. Relaxada demais, a equipe permitiu que Camarões equilibrasse o jogo e o levasse empatado até o 10 a 10. Só então a equipe de Zé Roberto passou a fazer valer sua ampla superioridade técnica para fechar em 25 a 18.

Mais conteúdo sobre:
vôlei Mundial Brasil Camarões

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.