FIVB
FIVB

Brasil reage após 1º set ruim, vira sobre Itália e ganha a 5ª na Liga das Nações

Seleção brasileira faz 3 sets a 1, com parciais de 19/25, 25/15, 25/19 e 25/19, e fechou de forma positiva a segunda semana

Redação, Estadão Conteúdo

02 de junho de 2021 | 18h48

Muito mais exigida do que nos jogos anteriores, a seleção feminina de vôlei teve dificuldade, sofreu um apagão no primeiro set, mas reagiu, derrotou o jovem time da Itália de virada por 3 sets a 1 nesta quarta-feira, em Rimini, com parciais de 19/25, 25/15, 25/19 e 25/19 e fechou de forma positiva a segunda semana da Liga das Nações.

A seleção brasileira fez um primeiro set ruim, oscilou durante o jogo, mas conseguiu se reinventar a partir das modificações do técnico José Roberto Guimarães e, mais do que o triunfo, levou algumas lições do duelo diante do time alternativo da Itália, que preferiu preservar as atletas principais para a disputa dos Jogos Olímpicos de Tóquio.

A ponteira italiana Melli foi a maior pontuadora da partida, com 19 pontos. Tandara e Rosamaria, esta que é oposta, mas saiu do banco para atuar como ponteira em quadra, viraram 17 bolas cada uma e Carol, 14, sendo cinco de bloqueio.

Carol se destacou mais uma vez. Além da pontuação, a central mostrou domínio em todos os fundamentos e foi essencial para a virada brasileira em Rimini. Outra que entrou bem e teve papel importante para mudar o panorama do duelo foi Roberta, que substituiu Macris ainda no primeiro set e, assim como Rosamaria, ficou até o final na partida. As duas colaboraram para a equipe crescer no jogo e ganharam pontos por um lugar no time que disputará a Olimpíada em Tóquio.

Mesmo sem suas principais jogadoras, a seleção italiana mostrou ser uma equipe valente, com bom volume de jogo e jogadoras talentosas no ataque, como Mingardi e Melli.

“Viemos preparados para um jogo difícil. Essas meninas da Itália têm feito bons jogos. Sabíamos que não seria fácil e com um ritmo de jogo diferente da partida contra a Rússia. Começamos o primeiro set um pouco devagar e nosso saque não estava agressivo. Conseguimos melhorar isso durante o jogo. Também demoramos a nos adaptar na defesa. Elas começaram o jogo largando muito no meio da quadra. A partir do segundo set nos ajustamos e fomos mais agressivas no saque e na defesa. O time evoluiu ao longo do jogo e fico feliz de terminarmos essa segunda semana com vitória”, disse a levantadora Roberta.

Com cinco vitórias em seis jogos, o Brasil se manteve na terceira colocação da competição e se aproxima da classificação às semifinais. A Itália é a 15ª colocada.

A seleção brasileira tem três dias para descansar e treinar e começa a terceira semana da Liga das Nações no próximo domingo, contra a Sérvia, às 10 horas (de Brasília). Na segunda, enfrenta a Bélgica, às 16 horas e, na terça, tem pela frente a China, às 11 horas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.