Brasil reconhece superioridade dos EUA na Liga Mundial

Seleção de Bernardinho volta suas atenções para o Mundial de Vôlei

AE, Agência Estado

20 de julho de 2014 | 21h57

Derrotada na decisão da Liga Mundial pela seleção dos Estados Unidos, a seleção brasileira reconheceu a superioridade do adversário na partida deste domingo. O técnico Bernardinho elogiou e parabenizou a equipe dirigida por John Speraw e lamentou o excesso de erros cometidos na derrota por 3 sets a 1, com parciais de 31/29, 21/25, 25/20 e 25/23, em Florença, na Itália.

"Eu gostaria de parabenizar John. Os Estados Unidos conseguiram controlar o jogo. Eles tiveram uma grande defesa e mantiveram a bola viva. Nós cometemos muitos erros. Foi uma lição para nós, e estamos frustrados, mas parabéns para eles", disse Bernardinho.

Derrotada na final, a seleção brasileira viu ser adiado o sonho da conquista do seu décimo título da Liga Mundial. Até chegar à final deste domingo, porém, a equipe fez campanha irregular no torneio, com seis vitórias e seis derrotas na fase de classificação. Depois, já na fase final, venceu a Rússia e perdeu para o Irã, o que foi suficiente para se garantir nas semifinais diante da anfitriã Itália, que foi massacrada com uma atuação de gala.

Agora, o Brasil volta as suas atenções para o Mundial de Vôlei, que será disputado entre os dias 30 de agosto e 21 de setembro na Polônia, onde o Brasil vai buscar o seu quarto título. Bernardinho avisou que o time precisará melhorar para manter vivo esse sonho. "Nós temos muitas coisas para trabalhar antes do Mundial. Fizemos alguns avanços, mas precisamos ser mais consistentes para competir no torneio", disse. 

Como não poderia deixar de ser, o levantador Bruno exibiu decepção com a derrota na final deste domingo para os Estados Unidos. O capitão brasileiro, porém, prometeu que o time vai lutar pelo título do Mundial na Polônia.

"É terrível chegar na final e perder, mas eles jogaram melhor do que nós hoje. Nós não fomos agressivos o suficiente nesta noite. Mas agora temos de nos preparar para o próximo torneio. Vamos ao Mundial para vencer", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.