Brasil sofre, mas supera os checos no Mundial de vôlei

Não foi uma exibição brilhante, como a torcida esperava, mas a seleção brasileira masculina de vôlei conseguiu mais uma vitória na segunda fase do Campeonato Mundial do Japão ao bater, na madrugada deste domingo (horário de Brasília), a República Checa, por 3 sets a 0, parciais de 25/22, 25/20 e 26/24. O confronto equilibrado foi realizado no Ginásio Green Arena, em Hiroshima.O resultado manteve o Brasil com boas chances de classificação às semifinais do torneio. A equipe dirigida pelo técnico Bernardinho precisa vencer os seus dois últimos jogos da segunda fase, contra Itália e Bulgária, para assegurar a vaga sem depender de outros resultados.No primeiro set, a equipe brasileira demorou para se encontrar em quadra, principalmente em função do bom ataque do time da República Checa. Os adversários estiveram na frente no placar até os brasileiros conseguirem empatar (20 a 20). A partir daí, o bloqueio do Brasil melhorou e a equipe fechou o set: 25 a 22.O segundo set começou muito parecido com o primeiro, com os checos melhores no ataque. A parcial foi disputada ponto a ponto, com vantagem do equipe adversária, até o Brasil fazer 21 a 20. E, outra vez, o bloqueio brasileiro foi decisivo.Já no terceiro set, os europeus vieram com tudo para cima dos brasileiros, forçando no saque. Os atuai campeões do Mundial, no entanto, demonstraram paciência e assumiram a vantagem na hora certa no placar, fechando em 26 a 24. ?Para a República Checa não valia mais nada. Então eles vieram soltos, arriscando muito no saque e colocando jogadores mais altos na quadra. Tivemos um pouco de dificuldades para marcar as bolas deles, mas foi bom que no finalzinho do set sempre buscamos o resultado?, disse o oposto Anderson.O ponta Dante elogiou a defesa dos rivais. ?Eles nos surpreenderam em alguns fundamentos. Defenderam mais do que vinham fazendo e mais do que eles defendem normalmente. Mas soubemos trabalhar o lado da pressão. Para a cabeça é desgastante porque temos de estar ali o tempo todo, ligados no jogo?, analisou.O Brasil volta à quadra na terça-feira, às 4 horas (de Brasília), diante da Itália, que bateu Cuba por 3 a 1 (25/20, 25/15, 23/25 e 25/15). ?A rivalidade contra os italianos acabou ficando maior do que contra a Argentina. Isso acontece porque jogamos quase todos na Itália, conhecemos todos os jogadores deles e até temos amizade com alguns deles. Precisamos ter muita tranqüilidade e agressividade, tentar botá-los sob pressão para que sintam que somos o Brasil que conquistou todas essas medalhas até agora?, analisou o meio-de-rede Gustavo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.