Brasil tenta segunda vitória na China

As provocações, mais uma vez, fizeram parte do confronto - desta vez entre a oposto Karin e a atacante Sanchez, que trocaram ?berros? na rede, depois de jogadas bem-sucedidas, de lado a lado. Mas a vitória ficou com a seleção brasileira de vôlei contra a eterna rival Cuba, no tie-breaker (15/25, 25/18, 22/25, 25/13 e 15/7), na rodada de abertura do Grand Prix da Ásia, hoje, em Hong Kong, China. No outro jogo do grupo, o Japão venceu a China por 3 a 0 (25/19, 30/28 e 25/23). Em Suphanburi, na Tailândia, duas vitórias por 3 sets a 0, da Rússia contra a Alemanha (25/17, 25/18 e 25/21 e da Coréia contra os Estados Unidos (25/17, 25/23 e 25/23). Neste sábado, às 9 horas (de Brasília) o Brasil enfrenta a China (com SporTV), e na madrugada de domingo, às 2h30, o Japão (a SporTV mostra teipe às 7 horas). O técnico Marco Aurélio Motta não admite o favoritismo do Brasil diante das chinesas. Observou que, teoricamente, a China seria favorita contra as japonesas, mas perdeu. "As oito melhores equipes do mundo estão aqui e temos de estar preparados para qualquer adversário." Karin deixou a quadra comemorando a vitória contra as cubanas. "É muito bom ganhar delas, ainda mais porque fizemos uma grande partida." Sem Fofão em quadra, substituída pela levantadora Fabiana Berto, a meio-de-rede Janina assumiu o posto de capitã. "Estamos no começo e temos de continuar com essa disposição", disse. Marco Aurélio destacou que o resultado, na estréia, foi "importante para dar confiança ao grupo", mas observou que o torneio é longo e a seleção ainda tem condições de melhorar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.