Divulgação
Divulgação

Brasil vence Uruguai e se mantém invicto no Sul-Americano

Seleção masculina de vôlei ganha por 3 sets a 0 (25/17, 25/19 e 25/15) e agora encara o time da casa no torneio

17 de agosto de 2009 | 21h50

O Brasil voltou a vencer na segunda partida pelo Campeonato Sul-Americano de vôlei nesta segunda-feira. O time comandado pelo técnico Bernardinho superou a seleção uruguaia por 3 sets a 0 (25/17, 25/19 e 25/15), em 57 minutos de jogo, e agora se prepara para enfrentar, nesta terça-feira às 21 horas (de Brasília), a Colômbia, dona da casa.

Veja também:

linkBruno fica com a seleção, mesmo após lesão

O levantador Marlon, que acabou entrando no time devido a lesão de Bruno, está confiante. Ele, que esteve com o grupo desde a primeira convocação da temporada, sabe que só precisa de mais ritmo de jogo para chegar ao auge em Bogotá.

"A adaptação está sendo tranquila para mim. Eu já conheço muito o grupo e falta só pegar um pouco mais de ritmo de jogo para as partidas mais importantes do Sul-Americano, que serão contra Venezuela e Argentina", disse Marlon, explicando que não está tendo problemas com os efeitos da altitude.

"Até que não está sendo tão difícil jogar aqui. O problema maior é o saque mesmo e as condições precárias de treinamento. Mesmo com isso tudo, iremos fazer sempre o melhor para conquistar a vaga. A competição começa mesmo amanhã (terça), quando faremos nosso primeiro jogo com pressão. Enfrentaremos os donos da casa e, mesmo assim, a pressão por vitória é nossa", explicou Marlon.

Independentemente da condição técnica dos dois primeiros adversários no Sul-Americano, o oposto Leandro Vissotto acredita que os jogos foram válidos.

"É bom para dar um gás. É difícil jogar aqui na altitude. Falta um pouco de ar, mas estamos nos virando bem. Usaremos todos os confrontos para pegar experiência. Isso será importante na hora de enfrentar nossos dois maiores adversários na competição, que são Argentina e Venezuela. Já conhecemos o time deles e o mais importante será a maneira como iremos entrar em quadra. A cabeça tem que estar boa e temos que ter um jogo agressivo", afirmou Vissotto, explicando que a concentração para a partida desta terça-feira deve ser ainda maior.

"Acho que será a nossa estreia na competição. É um jogo contra o time da casa, que possui jogadores mais preparados do que Peru e Uruguai", encerra Vissotto.

Depois de enfrentar a Colômbia, o Brasil ainda terá três partidas pelo Sul-Americano. Enfrentará o Chile na quarta-feira, a Venezuela na quinta e Argentina na sexta. Se conquistar o torneio, a seleção garante uma vaga na Copa dos Campeões, em novembro no Japão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.