Brasileiras festejam campanha perfeita da seleção até o momento no Grand Prix

A inesperada e tranquila vitória da seleção brasileira feminina de vôlei contra a Itália por 3 sets a 0, neste sábado, jogando na casa das rivais, em Catânia, que fez com que a equipe terminasse a fase de classificação do Grand Prix com 100% de aproveitamento em nove jogos, foi muito comemorada pelas jogadoras. Especialmente pela central Juciely, a maior pontuadora com 18 pontos (10 só de bloqueio).

Estadão Conteúdo

18 de julho de 2015 | 20h21

"Essas três vitórias na Itália foram muito importantes para a confiança do grupo. No entanto, sabemos que agora é um novo campeonato e temos que seguir evoluindo. Queremos esse título e vamos lutar por ele nos Estados Unidos. Na partida de hoje (sábado), conseguimos contornar um momento difícil do jogo no segundo set quando estávamos atrás do placar e isso é um bom sinal e mostra a força do nosso grupo", disse Juciely.

Com o final da fase de classificação, seis equipes carimbaram o passaporte para a fase final que será disputada de 22 a 26 deste mês, em Omaha, nos Estados Unidos. O Brasil ficou na liderança isolada, com 27 pontos. A China aparece em segundo lugar, com 26, as norte-americanas em terceiro, com 24, a Itália em quarto, com 14, a Rússia em quinto, com a mesma pontuação das italianas, mas com um pior saldo de sets, e o Japão em sexto, com 13.

A levantadora Dani Lins fez uma análise da participação do Brasil na terceira semana do Grand Prix. "Foi uma boa semana. Estamos empolgadas e, mesmo classificadas, não baixamos a guarda em nenhum momento. O (auxiliar) Paulo Coco pôde colocar todas as jogadoras em quadra e isso foi importante para dar ritmo de jogo para o grupo. Hoje (sábado) também foi positivo, pois enfrentamos uma torcida contra que é apaixonada por voleibol e conseguimos impor nosso ritmo durante a partida", analisou.

Paulo Coco, que dirige a equipe do Grand Prix - José Roberto Guimarães está no Pan de Toronto, no Canadá -, comentou sobre as mudanças na equipe brasileira para esta etapa e o bom desempenho do time. "Viemos para essa semana com o intuito de rodar mais o grupo e alcançamos o nosso objetivo. Mesmo com as três trocas (a líbero Sassá, a ponteira Natália e a oposto Monique substituíram, respectivamente, Camila Brait, Fê Garay e Joycinha, que estão disputando os Jogos Pan-Americanos), conseguimos manter um bom ritmo de jogo. Tivemos adversários difíceis como a Rússia e a Itália jogando em casa e fomos capazes de sair de adversidades. Isso nos deixou confiantes para a fase final", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
vôleiGrand PrixBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.