Brasileiras garantem concentração total para encarar a Itália no Grand Prix

Mesmo contando com um time alternativo por causa da realização dos Jogos Pan-Americanos de Toronto, no Canadá, a seleção brasileira feminina de vôlei, dividida em duas, vem apresentando bons resultados no Grand Prix. Sob o comando do auxiliar Paulo Coco - José Roberto Guimarães está no Pan -, a equipe segue invicta na competição mundial. Nesta sexta-feira, em Catânia, na Itália, pela terceira semana, bateu a Bélgica por 3 sets a 0, mas sofreu para fechar a partida na terceira parcial.

Estadão Conteúdo

17 de julho de 2015 | 19h49

"Jogamos muito bem os dois primeiros sets e depois demos uma baixada de guarda, o que não pode acontecer. A Bélgica passou a sacar bem e isso dificultou o nosso passe. Acredito que hoje ataquei bem, mas minha recepção ainda precisa melhorar. Cada dia temos que evoluir um pouco e amanhã teremos uma partida difícil contra a Itália. Elas possuem um time alto e experiente. Vamos ter que entrar em quadra concentradas e jogar bem taticamente", disse a ponteira Natália, maior pontuadora com 17 acertos.

A oposto Monique chamou a atenção para o jogo contra a Itália, que será neste sábado, fechando a fase de classificação - o Brasil já está classificado à fase final. Para a atacante, essa será a partida mais difícil nesta terceira semana do Grand Prix.

"Nos desconcentramos um pouco no terceiro set e tivemos que correr atrás do placar. Temos que ficar atentas a isso para fecharmos logo as partidas. Esse jogo já passou e agora vamos focar no confronto contra a Itália que tem uma torcida apaixonada e vai jogar em casa. Na minha opinião será o jogo mais difícil para o nosso grupo nessa etapa, mas estamos bem preparadas", garantiu.

Paulo Coco falou da importância da partida contra a Bélgica para o desenvolvimento do time brasileiro. "Aproveitamos os dois primeiros sets que jogamos bem taticamente e concentrados para colocar quase todas as jogadoras em quadra. O terceiro set deixou um pouco a desejar porque perdemos a concentração e o saque não teve a mesma eficiência. Com isso, deixamos a Bélgica jogar. Foi bom que isso aconteceu agora para o time aprender que não pode jogar desconcentrado. O mais importante do jogo de hoje foi que conseguimos ganhar mais ritmo de jogo, além de ajustarmos o time", afirmou.

"Acredito que amanhã (sábado) será o principal teste dessa etapa. A Itália está brigando pela classificação, tem um time experiente e vai jogar em casa. Precisamos de um teste como esse para ver qual será nosso comportamento", finalizou Paulo Coco.

Tudo o que sabemos sobre:
vôleiGrand PrixBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.