Brasileiras 'se irritam' com show japonês de defesas

Foi um sofrimento a cada ataque. A seleção brasileira feminina de vôlei teve de ter muita paciência para conseguir derrubar a bola na quadra japonesa na semifinal do Campeonato Mundial Feminino de Vôlei. Só com muita insistência e um sem número de ralis que a equipe do técnico José Roberto Guimarães conseguiu virar a partida por 3 sets a 2, neste sábado, para garantir uma vaga na decisão.

AE, Agência Estado

13 de novembro de 2010 | 10h27

A capacidade de defesa do time japonês não é novidade para as brasileiras, que enfrentam as rivais anualmente e estão acostumadas a estudar os pontos fortes e fracos dos adversários a cada jogo. Mas elas se surpreenderam com o paredão que encontraram pela frente em Tóquio. "É irritante", resumiu a líbero Fabi. "É muito bacana ver o jogo delas, mas não contra a gente. A bola não cai. Mas a gente se preparou para isso, sabia que a bola ia demorar cinco, seis vezes para cair."

Destaque do time brasileiro nos outros nove jogos do Mundial, a ponteira Natália foi ofuscada pela oposto Scheilla na semifinal: marcou 22 pontos, três a menos que a companheira. E isso se deve em grande parte às defesas japonesas em seus fortes ataques. "Tem uma hora que cansa. Você pensa: o que será que eu tenho que fazer? A gente bate, a bola sobe. A gente larga, a bola sobe."

Os obstáculos para a virada levaram a levantadora Fabíola ao limite do seu equilíbrio emocional. "Teve momentos que eu falei ali: ''Deus, me ajuda''. De novo a gente mostrou nossa força num momento de dificuldade", valorizou.

Tudo o que sabemos sobre:
vôleiCampeonato MundialBrasilJapão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.