Divulgação/Fivb
Divulgação/Fivb

Brasileiros avançam à final em etapa chinesa do vôlei de praia; mulheres na semi

Evandro e Bruno Schmidt disputam ouro com Mol e Sorum, enquanto André Stein e George jogam pelo bronze contra Bourne e Crabb

Redação, Estadão Conteúdo

25 de maio de 2019 | 21h10

O Brasil conseguiu importantes vitórias e neste sábado avançou à final e disputa de bronze do torneio masculino e às semifinais no feminino na etapa de Jinjiang, na China, que é de nível quatro estrelas do Circuito Mundial de Vôlei de Praia 2019. Evandro/Bruno Schmidt disputam o ouro contra os noruegueses Mol/Sorum neste domingo, enquanto que André Stein/George encaram os norte-americanos Bourne/Crabb pelo terceiro lugar.

Cada dupla disputou três rodadas neste sábado. O resultado poderia ser ainda melhor, com uma dobradinha brasileira no pódio, mas os times do país acabaram se cruzando na semifinal. Vitória de Evandro e Bruno sobre André e George por 2 sets a 0 (26/24 e 21/15).

Bruno comentou o duelo contra os compatriotas e analisou a primeira final do time na temporada. "É sempre difícil, nos enfrentamos muito no Brasil, os times se conhecem e quando chegamos aqui existem várias emoções. Você pode perguntar para qualquer país, é sempre duro quando você compete com um compatriota. O principal para nós foi tentar nos mantermos fortes até o final, conseguimos e estou feliz por isso", disse.

Antes, pelas quartas de final, Evandro e Bruno haviam eliminado os russos Krasilnikov/Stoyanovskiy por 2 sets a 0 (21/18 e 21/16) e, nas oitavas de final, a vitória foi sobre os noruegueses Berntsen/Hendrik Mol, com um duplo 21/14.

Já André e George superaram nas quartas de final Herrera/Gavira, da Espanha, por 2 sets a 0 (28/26 e 24/22), e eliminaram nas oitavas os letões Plavins e Tocs também por 2 a 0 (21/18 e 21/18). Alison e Álvaro Filho também entraram em quadra, mas acabaram eliminados nas oitavas de final para os norte-americanos Bourne/Crabb por 2 sets a 0 (21/18 e 27/25).

FEMININO

Entre as mulheres, o Brasil avançou com duas duplas às semifinais. Ágatha/Duda e Ana Patrícia/Rebecca superaram adversárias pelas oitavas e quartas de final para alcançarem a fase de disputa de medalhas da competição chinesa.

Ana Patrícia e Rebecca encaram as australianas Artacho e Clancy - os times nunca haviam se enfrentado anteriormente. Já Ágatha e Duda disputam vaga na final contra as norte-americanas Kerri Walsh e Brooke Sweat, também em confronto inédito.

Para alcançar a semifinal, Ágatha e Duda tiveram que superar as compatriotas Carol Solberg e Maria Elisa nas quartas de final, vencendo por 2 sets a 0 (21/18 e 21/18). Antes, nas oitavas, as atuais campeãs do Circuito Mundial tinham eliminado as eslovacas Dubovcova/Strbova também em sets diretos, com parciais de 21/11 e 22/20.

Já Ana Patrícia e Rebecca superaram nas quartas de final o principal time da Alemanha no momento, formado por Julia Sude e Karla Borger - vitória por 2 sets a 1 (21/13, 15/21 e 15/11). Nas oitavas de final, horas antes, superaram as polonesas Kociolek/Wojtasik por 2 a 0 (21/13 e 21/18). A dupla busca o seu terceiro título internacional na temporada, após ter conquistado as etapas de Haia (Holanda) e Xiamen (China), ambas de quatro estrelas.

Ana Patrícia analisou a campanha. "Gostamos de jogar na China, é um lugar que nos dá bons resultados. Vencemos em Xiamen neste ano e também em Qinzhou no ano passado, além de uma prata em Yangzhou. É um lugar onde nos divertimos e vamos buscar manter essa união em quadra, que é nosso diferencial", afirmou.

Além de Carol Solberg/Maria Elisa, Talita e Taiana também se despediram do torneio na quinta colocação. Elas foram superadas pelas australianas Artacho e Clancy por 2 sets a 1 (20/22, 21/19 e 15/10). Já Fernanda Berti e Bárbara Seixas ficaram nas oitavas de final, sendo superadas por Carol Solberg/Maria Elisa por 2 a 0 (21/10 e 25/23).

A etapa de Jinjiang conta pontos para a corrida olímpica brasileira. A cidade litorânea chinesa recebeu um torneio do Circuito Mundial pela primeira vez em 2018, sem a participação de duplas brasileiras. Na ocasião, os norte-americanos Mayer/Crabb e as japonesas Mizoe/Hashimoto ficaram com a medalha de ouro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.