Búlgara é destaque dentro e fora das quadras do Vôlei Amil

Além de ser uma das maiores pontuadoras da temporada, Elitsa Vasileva chama atenção também pela beleza

O Estado de S. Paulo

15 Março 2013 | 18h41

SÃO PAULO - Não só por ser a segunda maior pontuadora da Superliga feminina de vôlei, a búlgara Elitsa Vasileva tem chamado a atenção de quem está do lado de fora das quadras. A beleza e a eficiência da ponteira, de 22 anos e 1,93m, tem se destacado aos olhos dos fãs e companheiras de time do Vôlei Amil, equipe de Campinas comandada pelo campeão olímpico Zé Roberto Guimarães. "Eu cheguei neste time por este motivo e acho que vou aprender muito", disse a atleta sobre o técnico.

Apesar de estar no Brasil há apenas uma temporada, Vasileva fala português com facilidade e diz ter se adaptado bem ao país, já que está acostumada a ficar longe da família. A atleta saiu de casa aos 17 anos para jogar vôlei na Itália. "A primeira vez que cheguei nesse país tive uma impressão muito boa. É muito bonito, tem sol, calor e gosto muito dessas coisas", contou. Quanto à alimentação, disse ter aprovado a culinária nacional e elegeu o churrasco como o prato preferido por aqui.

Acostumada ao ritmo de jogo na Europa, onde foi vice-campeã do continente em 2010 e conquistou a medalha de bronze no Europeu de 2011 com a equipe da Bulgária, a ponteira afirma que aqui no Brasil os treinamentos são mais ainda mais puxados. "Tem muita diferença do treino na Europa do treino aqui. No Brasil, nós fazemos academia todos os dias e os treinos são mais longos". Outra diferença que a atleta vê jogando do outro lado do oceano é a força e a participação da torcida. "Acho que aqui tem mais torcida, os ginásios são maiores e isso ajuda muito na quadra. Eu gosto muito".

Antes de se firmar nas quadras de vôlei, Vasileva jogava basquete, mas mudou de modalidade aos 13 anos devido ao tipo físico. Mas, segundo ela, caso não fosse uma atleta de sucesso, seria designer. O motivo é a paixão que tem pela moda, mas descarta as propostas para trabalhar como modelo. "Nunca pensei em ser modelo, mas gosto de ficar bem vestida, gosto de roupa boa, de seguir a moda, mas é só isso", declarou. O amor é tanto que o hobby da atleta é passar o tempo livre no shopping.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.