Bulgária e Sérvia seguem invictas no Mundial de vôlei

A Bulgária manteve a invencibilidade no Campeonato Mundial masculino de vôlei ao ganhar da Alemanha por 3 sets a 1, com parciais de 25/22, 23/25, 25/20 e 25/18, neste domingo, em Hiroshima. Os búlgaros ficaram mais próximos da classificação às semifinais da competição.Com o resultado, a equipe dirigida pelo treinador Martin Stoev, que soma sete vitórias consecutivas, lidera o Grupo F com dez pontos. A Bulgária garante matematicamente a vaga na próxima fase se superar a França ou o Brasil nas últimas rodadas. Já os alemães não possuem mais chances de avançar.O maior pontuador do confronto foi o oposto Vladimir Nikolov, com 24 pontos. O seu colega de time, Matey Kaziyski, marcou 17 pontos. "Nós somos parte da equipe, o que é o mais importante. Se alguém tiver problemas, os outros terão que compensar", disse Kaziyski. "Espero que nos mantenhamos nesta boa fase, porque se perdemos alguns jogos ninguém pensará que ainda somos os melhores jogadores do mundo", completou.Em outro jogo da rodada, a Sérvia e Montenegro também manteve-se com 100% de aproveitamento ao superar a Argentina por 3 a 1 (25/18, 25/16, 24/26 e 25/17), na cidade de Sendai. Os europeus lideram o Grupo E com dez pontos, assim com o a Polônia que ganhou do Canadá por 3 a 0 (25/21, 25/17 e 25/17) e também segue invicta no Mundial.A Itália, adversária da seleção brasileira na próxima terça-feira, ganhou de Cuba por 3 a 1 (25/20, 25/15, 23/25 e 25/15) e ocupa a terceira colocação do Grupo F, com nove pontos (quatro triunfos e uma derrota). O ponta Alberto Cisolla foi o maior pontuador da partida, com 22 pontos. Pelo lado cubano, o destaque foi o ponta Michael Sánchez, com 17 pontos.Também em Hiroshima, a França sofreu para ganhar dos Estados Unidos por 3 a 2 (17/25, 25/12, 24/26, 25/17 e 15/11) e ficar na quarta colocação do Grupo F. "Os americanos mostraram nesta partida que cada ponto conta. Se jogarmos desta maneira, é possível vencer qualquer um", analisou Pierre Pujol.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.