EFE/ Mario Ruiz
EFE/ Mario Ruiz

Campeões olímpicos em 2016, Alison e Bruno Schmidt encerram dupla

"Foram anos maravilhosos. Tenho orgulho do que construímos juntos, um time que foi exemplo para muita gente, que alcançou todos os resultados, mas que chegou ao fim", disse Alison

Estadão Conteúdo

23 de maio de 2018 | 11h18

Uma das parcerias mais vitoriosas da história recente do vôlei de praia chegou ao fim. Nesta quarta-feira, Alison anunciou que não atuará mais ao lado de Bruno Schmidt, com quem formava a dupla que foi campeã olímpica nos Jogos do Rio, em 2016. Eles estavam juntos há quatro anos e meio.

+ Alison e Bruno Schmidt faturam bronze em etapa chinesa do vôlei de praia

"Foram anos maravilhosos. Tenho orgulho do que construímos juntos, um time que foi exemplo para muita gente, que alcançou todos os resultados, mas que chegou ao fim. Conversamos e entendemos que é o momento de buscarmos coisas novas, e o mais importante é que, além das boas lembranças de tantas conquistas, ficam a amizade, o respeito e o carinho que um tem pelo outro", afirmou Alison, em comunicado divulgado pela sua assessoria de imprensa.

Além do título olímpico em 2016, Alison e Bruno Schmidt foram campeões mundiais em 2015, mesmo ano em que faturaram o Circuito Mundial. Os brasileiros também venceram o Circuito Brasileiro duas vezes, em 2015 e 2016, e o World Tour Final nessas mesmas temporadas.

Alison explicou que ainda não definiu quem será o seu novo parceiro no vôlei de praia. Mas indicou que espera tomar essa decisão rapidamente, até em função do seu foco na classificação para a Olimpíada de Tóquio, em 2020.

"Ainda é cedo para falar qualquer coisa, é começar do zero. Vou me reunir essa semana com a comissão técnica e vamos pensar no futuro. Temos a corrida olímpica começando no início do ano e precisamos planejar tudo muito bem porque o objetivo é estar em Tóquio-2020", comentou.

Tudo o que sabemos sobre:
vôlei de praia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.