Twitter / CBV
Twitter / CBV

Carol Solberg revela sofrer ameaças após manifestação contra Bolsonaro

Jogadora que se posicionou contra o presidente diz não estar arrependida e defende direito de expressão

Redação, O Estado de S.Paulo

22 de setembro de 2020 | 13h01

A atleta Carol Solberg, que gritou "Fora, Bolsonaro!" ao término de uma entrevista ao vivo no SporTV, revelou nesta terça-feira que está sendo alvo de ameaças nas redes sociais. Apesar da grande repercussão pela posição política tomada após a conquista da medalha de bronze na etapa de Saquarema do Circuito Brasileiro de Vôlei de Praia, no último fim de semana, ela garante que não se arrepende da atitude. 

"Como cidadã, me sinto na obrigação de me manifestar e exercer a minha cidadania", disse Carol, em entrevista ao jornal O Globo. "Não me arrependo, zero, nem um pouco. Foi totalmente espontâneo, um grito mesmo, uma coisa que está entalada há muito tempo, por conta das coisas que estão acontecendo no nosso país. Está no peito, na garganta... e sinto que nós atletas temos a obrigação de usar a nossa voz. E o momento em que estou em quadra é o momento que tenho voz", acrescentou. 

A Confederação Brasileira de Vôlei (CBV), no entanto, criticou a atitude da jogadora. Após a manifestação, a entidade publicou uma nota que condena o ato da atleta e disse que "tomará providencias para que episódios como este não se repitam". 

Carol recordou que Wallace, do vôlei de quadra, se manifestou politicamente em 2018 e não sofreu punição. Na ocasião, ele e Maurício Souza fizeram um gesto com os dedos em alusão ao número 17, do então candidato à presidência Jair Bolsonaro. A entidade repudiou o ato, mas disse que "acreditava na liberdade de expressão e, por isso, não se permitiria controlar as redes sociais pessoais dos atletas". 

"Amo o que eu faço, amo jogar vôlei, mas ser punida por me manifestar?? Me sinto totalmente no meu direito de fazer isso. Teve outra história no vôlei, do Wallace, que não sofreu punição. Sei que isso pode acontecer, mas acho errado. Estou esperando as coisas acontecerem para falar sobre punição. Porque não tenho ideia do que vai acontecer", disse a atleta. 

No momento da manifestação, Carol estava utilizava um uniforme com o símbolo do Banco do Brasil. Ela não é patrocinada pela instituição, mas a CBV, organizadora do Circuito, recebe aporte da empresa estatal desde 1991. Por isso, perfis bolsonaristas iniciaram uma campanha pelo fim do patrocínio do banco para a jogadora, apesar de não existir tão relação.

Aliás, a atleta confirmou que as mensagens em tom de repúdio nas redes sociais chegaram em tons de ameaças. No entanto, nesse momento, a soliedariedade de amigos e parentes amenizam o problema. "Estou sofrendo sim (ameaças). Mas são tantas mensagens legais... e amigos meus preocupados comigo por causa das ameaças. Como pode isso? É real! As pessoas estão com medo por mim. Tem gente querendo saber onde moro... e isso é tão absurdo!", desabafa a atleta, que também foi criticada pela Comissão de Atletas de Vôlei de Praia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.