CBV divulga rankings de jogadores para temporada 2009/2010

Classificação tem como principal objetivo manter o equilíbrio entre os times que disputam a Superliga nacional

Redação,

30 de abril de 2009 | 23h08

A Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) divulgou a fórmula do ranqueamento de atletas para a temporada 2009/2010 da Superliga masculina e feminina. O ranking oficial foi criado em 1992/1993 com a finalidade de promover o equilíbrio de forças entre as equipes participantes da principal competição entre clubes do Brasil.

A novidade para esta temporada está no ranking para a Superliga feminina. Cada equipe poderá inscrever, no máximo, três atletas com pontuação sete. No masculino, o processo continua o mesmo da temporada passada: cada time poderá inscrever dois jogadores de sete pontos e um terceiro também de sete, desde que este seja repatriado.

A alteração foi proposta em reunião pelos técnicos e a CBV levou a decisão para ser definida pelos presidentes dos clubes. A sugestão foi aprovada em reunião realizada na sede da Confederação.

O incentivo ao repatriamento continua. Os jogadores que estiveram atuando no exterior e voltarem a jogar no País, independente da pontuação recebida, seguem valendo zero pontos para a equipe que contratá-los. O sistema de pontuação contempla a qualidade técnica de cada jogador, sua carreira e desempenho nas últimas temporadas. Cada equipe poderá inscrever atletas cujo somatório de suas pontuações não seja superior a 32 pontos.

Para cada atleta ranqueado é atribuída uma pontuação variável de - no mínimo - um e - no máximo - sete pontos.

No masculino, nove atletas têm pontuação máxima. São eles: André Heller, André Nascimento, Dante, Giba, Gustavo, Murilo, Ricardinho, Rodrigão e Samuel. No feminino, as atletas com pontuação máxima são Érika, Fabiana, Fernanda Venturini, Fofão, Jaqueline, Mari, Paula Pequeno, Sheilla, Thaísa, Walewska e Sassá.

Para aqueles que permanecerem na mesma equipe da Superliga 2008/2009 - mesmo que tenham obtido a pontuação maior para esta nova temporada - prevalecerá os pontos estabelecidos e considerados da temporada anterior. Caso o atleta tenha sua pontuação reduzida, prevalecerá o menor número de pontos. Um exemplo é a levantadora campeã olímpica Fofão, que se permanecer no São Caetano/Blausiegel (SP) continuará valendo 0 pontos (já que o time paulista a repatriou na última temporada). Se mudar de equipe, somará sete pontos para o time.

ESTRANGEIROS

Cada equipe poderá inscrever, no máximo, dois atletas estrangeiros. Serão pontuados com sete pontos os estrangeiros que disputaram a última Superliga e trocarem de equipe. Em contrapartida, quem não disputou essa edição da competição não será pontuado. No caso do masculino, o atleta cubano Roca foi pontuado no ranking e, caso troque de equipe, receberá a pontuação do ranking atual.

Tudo o que sabemos sobre:
CBVSuperliga de vôleivôlei

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.