Divulgacão/CBV
Divulgacão/CBV

Cimed e Minas fazem a grande final da Superliga masculina

Partida decisiva da competição começa às 9h30 deste domingo no ginásio do Maracanãzinho, no Rio de Janeiro

Redação,

17 de abril de 2009 | 18h11

Pela quarta vez consecutiva, Cimed/Brasil Telecom (SC) e Vivo/Minas (MG) farão a grande final da Superliga masculina de vôlei. A partida decisiva acontece no próximo domingo, às 9h30 (com TV Globo e SporTV), no ginásio do Maracanãzinho, no Rio de Janeiro.

O time de Florianópolis, vencedor da competição em 2005/2006 e 2007/2008, chega para o jogo como o favorito para levantar a taça, já que venceu três dos quatro turnos da fase classificatória do torneio (perdeu apenas o segundo justamente para o Minas).

Já a equipe de Minas Gerais quer faturar o inédito pentacampeonato (foi campeã em 1999/2000, 2000/2001, 2001/2002 e 2006/2007) e para isso conta com dois jogadores de peso, medalhistas de ouro com a seleção brasileira em Atenas (2004) e prata em Pequim (2008): André Heller e André Nascimento.

Pelos lados do Cimed, a principal aposta é o levantador Bruno, que esteve na última Olimpíada e deve assumir o posto de titular da seleção brasileira a partir da próxima Liga Mundial.

IMPORTÂNCIA

Os treinadores dos dois times encaram a partida como uma das mais importantes da história das duas equipes, já que a atual edição da Superliga ficará marcada pela presença de estrelas que conquistaram medalhas olímpicas pela seleção.

"Temos um histórico de vários confrontos contra o Minas, mas cada partida tem uma história diferente. Agora, chegamos a mais uma final de Superliga. Não é um jogo qualquer. É uma decisão e em jogo único. Temos que avaliar para ver se tudo está da melhor forma possível. Chegou o grande momento", afirmou Marcos Pacheco, técnico do Cimed.

Treinador do Minas, Mauro Grasso sabe que agora qualquer erro pode ser fatal. "Espero uma partida com equilíbrio total. As equipes fizeram uma fase classificatória muito boa. O adversário teve uma campanha melhor do que a nossa, mas em final não existe favorito. Temos um time forte e com condições de vencer. Agora vamos trabalhar em função do jogo do Cimed. Estou estudando a equipe adversária para passar as informações para os jogadores da melhor maneira. Não há mais espaços para erros", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.